Dirce Carneiro por Diana Gonçalves
Pensamentos... palavras e poesia... em ação...querendo alçar voo, em mutação...
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Prêmios Livro de Visitas Contato Links
EM CÓDIGOS DESCE O VÉU
Versos livres decassílabos heróicos (3/6/10)

Contornar a penumbra em noite finda
Denso véu cobre a luz, retarda o dia
Trovejões no céu rompem o silêncio
Tênue chama, coriscam os lampejos
 
Sugestão de rabiscos esfumados
São pinturas das mãos do invisível
Unir pontos de chuva em labirinto
A saída, molhar-se, enlamear-se
 
Abluir-se nas gotas desse barro
Tornear-se nas mãos umedecidas
Do pedal, sobe à mente a criação
Atenção nas filigranas, detalhes
 
Sutilezas, morada da virtude
Cinzelar frestas elos na urdidura
Por à unha, inscrição do mais secreto
Cravar sangue no Sol que se avizinha
 
***********************************
 
EM CÓDIGOS DESCE O VÉU
Versos livres decassílabos sáficos 4/8/10
 
Bailar à noite na penumbra, só
Um véu de chuva a esmaecer o dia
Voz de trovões acordam sonhos findos
Raios lampejam, nasce tênue chama
 
Em meio à nevoa, rabiscos crespos
Envolve a vida tempo incerto e vão
Pontos de chuva em labirinto unidos
Ver a saída, desolhar- lavar-se
 
Fazer-se lama corpo sujo em barro
No toque mãos umedecidas tornam
Pés no pedal, formatação do novo
Talhe nervoso, filigranas gravam
 
Preencher frestas com cinzel certeiro
Ferir a unha tatuar segredos
Cravar com sangue tons de Sol no leste
Secretos códigos devires luz


Nota: Foi observado que a rigor as sílabas tônicas deveriam estar apenas nas 4/8/10

***********************************

EM CÓDIGOS DESCE O VÉU
Versos decassílabos livres 

Contornar a penumbra em noite finda
Um véu de chuva esmaece o dia
O som de trovões acorda de sonhos
Raios lampejam, só tênue chama
 
Sugestão da névoa em riscos molhados
Toda vida envolta nas incertezas
Unir pontos de chuva em labirinto
A saída, molhar-se, enlamear-se
 
 Lavar-se nas mesmas gotas de barro
Tornear-se nas mãos umedecidas
Pés no pedal, novo em formatação
Atenção nas filigranas, detalhes
 
O diabo mora nas sutilezas
Preencher frestas com dedo certeiro
Por à unha, inscrição do mais secreto
Cravar com sangue o Sol que se avizinha

05/02/2021
Exercícios de metrificação
Dirce Carneiro (Diana Gonçalves)


 

 
DIANA GONÇALVES
Enviado por DIANA GONÇALVES em 06/02/2021
Comentários