Dirce Carneiro por Diana Gonçalves
Pensamentos... palavras e poesia... em ação...querendo alçar voo, em mutação...
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Prêmios Livro de Visitas Contato Links
TRÍVIOLETRA T 1.301 a T 1.400
TRÍVIOLETRA T 1.301 a T 1.400


Celinha Viol
25 de novembro às 09:48
(1400) TRÍVIOLETRA (TC): FÚRIA
F az de conta imoral // tapam sol com peneira // tudo é feira (2)
Ú ltima quimera // de quem nada espera // exaspera (5)
R i a História // FATOS VESTIDOS COM SEUS TRAPOS // - tudo escapa entre os dedos (1)
I magem distorcida // ver o que não é // arranhar o espelho (3)
A bênção vem // ratifica o conto // segue o rito - rindo. (4)
Marco Bastos 1
Maria Inez Alves 2
Celinha Viol 3
Dirce Carneiro 4
Maria Lima 5
TRÍVIOLETRA (TS): FÚRIA
R i a História // FATOS VESTIDOS COM SEUS TRAPOS // - tudo escapa entre os dedos (1)
F az de conta imoral // tapam sol com peneira // tudo é feira (2)
I magem distorcida // ver o que não é // arranhar o espelho (3)
A bênção vem // ratifica o conto // segue o rito - rindo. (4)
Ú ltima quimera // de quem nada espera // exaspera (5)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Lima
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.
MAIS ANTIGO





Celinha Viol
23 de novembro às 09:22
(1399) TRÍVIOLETRA (TC) : TROVÃO.
T rovão varia, desvaria // ritmo do vento // - nuvens brancas passam...(3)
R uge o mundo de manhã // CHUVA DE LETRAS // - voam os marimbondos (1)
O ra trovão, ora trovoada // orai pro nobis // na enxurrada (4)
V arre a noite // derrama sustos // apaga o momento. (2)
A tempestade espera // primeiro o anúncio // ribombos e luzes (6)
O sol escalda // sonha-se com trovão // só tambor faz-se ouvir. (5)
Marco Bastos 1
Marcia Portella 2
Celinha Viol 3
Lourdes Ramos 4
João P.C. Furtado 5
Dirce Carneiro 6
TRÍVIOLETRA (TS) : TROVÃO.
R uge o mundo de manhã // CHUVA DE LETRAS // - voam os marimbondos (1)
V arre a noite // derrama sustos // apaga o momento. (2)
T rovão varia, desvaria // ritmo do vento // - nuvens brancas passam...(3)
O ra trovão, ora trovoada // orai pro nobis // na enxurrada (4)
O sol escalda // sonha-se com trovão // só tambor faz-se ouvir. (5)
A tempestade espera // primeiro o anúncio // ribombos e luzes (6)




1
Celinha Viol
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
17 de novembro às 16:48
(1398) TRÍVIOLETRA (TC): BEDUINO
B érberes // AZUIS OLHOS D´ÁGUA // - no azul do deserto, azuis tuaregues (1)
E no deserto // miragem real // tempestade...areia nos olhos.(5)
D ecerto, deserto azul // indigo blue // - a tinta na dança (4)
U ma odalisca, // tocha ardente // lua crescente - na tenda mistério (3)
Í nda , filho das dunas móveis // estrelas fixas // te levam ao mar (6)
N as vestes sombrias // escondem mistérios // carregados de saberes (2)
O nde o céu é mais anil // olhar de oásis // oráculo e fonte (7)
Marco Bastos 1, 3, 6
Maria Inez Alves 2
Celinha Viol 4
João P. C. Furtado 5
Dirce Carneiro 7
TRÍVIOLETRA (TS): BEDUINO
B érberes // AZUIS OLHOS D´ÁGUA // - no azul do deserto, azuis tuaregues (1)
N as vestes sombrias // escondem mistérios // carregados de saberes (2)
U ma odalisca, // tocha ardente // lua crescente - na tenda mistério (3)
D ecerto, deserto azul // indigo blue // - a tinta na dança (4)
E no deserto // miragem real // tempestade...areia nos olhos.(5)
Í nda , filho das dunas móveis // estrelas fixas // te levam ao mar (6)
O nde o céu é mais anil // olhar de oásis // oráculo e fonte (7)




1
Celinha Viol
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
14 de novembro
(1397) TRÍVIOLETRA TC : PICADA.
P orcos do mato // pela picada // assustam o pescador (5)
I a pela picada // não mais vi aquilo // um gato - mais de cem quilos.(3)
C aminho trilhas trilhando // veredas abro // abismando olhos (4)
A picada dói // na trilha sem mato // bicho passa e deixa rastro.(2)
D ura lida // árvores caídas // na trilha úmida - nasce o rio (6)
A mata, o canto // SERRA NA MÃO // sangra o verde - o fim da picada (1)
Celinha Viol 1, 6
Marcia Portella 2
Marco Bastos 3
Lourdes Ramos 4
Maria Lima 5
TRÍVIOLETRA TS : PICADA.
A mata, o canto // SERRA NA MÃO // sangra o verde - o fim da picada (1)
A picada dói // na trilha sem mato // bicho passa e deixa rastro.(2)
I a pela picada // não mais vi aquilo // um gato - mais de cem quilos.(3)
C aminho trilhas trilhando // veredas abro // abismando olhos (4)
P orcos do mato // pela picada // assustam o pescador (5)
D ura lida // árvores caídas // na trilha úmida - nasce o rio (6)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Inez Alves
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
14 de novembro
(1396) TRÍVIOLETRA (TC): AQUILÃO
A gressivamente forte // não sei se do sul ou norte // agrestando... (3)
Q ue rumo? // canoa sem remos // mar e céu e nada. (2)
U iva o vento norte // levando telhados // abrindo clarões (6)
I ndo leve e solto // é de papel // sonho de criança (5)
L atina, genôa // CASCO E QUILHA // - popa a proa, albatroz na neblina (1)
à uroras de ouro // fímbrias de fogo // velas são as asas do vento (7)
O vento forte // descabela // um frio de leve - let it be (4)
Marco Bastos 1, 7
João P. C. Furtado 2
Lourdes Ramos 3
Celinha Viol 4
Marcia Portella 5
Maria Lima 6
TRÍVIOLETRA (TS): AQUILÃO
L atina, genôa // CASCO E QUILHA // - popa a proa, albatroz na neblina (1)
Q ue rumo? // canoa sem remos // mar e céu e nada. (2)
A gressivamente forte // não sei se do sul ou norte // agrestando... (3)
O vento forte // descabela // um frio de leve - let it be (4)
I ndo leve e solto // é de papel // sonho de criança (5)
U iva o vento norte // levando telhados // abrindo clarões (6)
à uroras de ouro // fímbrias de fogo // velas são as asas do vento (7)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Inez Alves
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Marco Bastos recomendou um grupo.
13 de novembro
Não conseguindo anexar a página T 1.401 a T 1.500 nos atalhos, entrar pela Página de Entrada.
T 1.401 A T 1.500
5 membros



checkmark
Entrou





Visualizado por 2

1
Celinha Viol
Curtir
Mostrar mais reações
Comentar
Comentários


Escreva um comentário...









Celinha Viol
12 de novembro
(1395) TRÍVIOLETRA TC : TRILHA
T rilha sonora // gorjeio de improviso // no doce riacho (2)
R ota das formigas // caminham as folhas // rumo ao ninho (3)
I nda penso em trilha, mar e ilha // danço ainda no mar // casco e quilha (4)
L ivre andarilho // natureza no olhar // ar purificado (5)
H úmus fértil // geada, ventania // - vejo o sol no horizonte (6)
A ndejos sem rumo // NA MATA, PASSOS DE DANÇA // canta o sabiá (1)
Celinha Viol 1, 6
Lourdes Ramos 2
Maria Lima 3
Marco Bastos 4
Marcia Portella 5
TRÍVIOLETRA TS : TRILHA
A ndejos sem rumo // NA MATA, PASSOS DE DANÇA // canta o sabiá (1)
T rilha sonora // gorjeio de improviso // no doce riacho (2)
R ota das formigas // caminham as folhas // rumo ao ninho (3)
I nda penso em trilha, mar e ilha // danço ainda no mar // casco e quilha (4)
L ivre andarilho // natureza no olhar // ar purificado (5)
H úmus fértil // geada, ventania // - vejo o sol no horizonte (6)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Inez Alves
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
9 de novembro
(1394) TRÍVIOLETRA TC : CAMPO.
C hove chuva // BROTOS NA TERRA // o verde cresce - alimenta, veste (1)
A mar o torrão // regar a terra // sementeiras que dão (5)
M anada apartada // arrefece peão // vela a lua (4)
P ois trigo que deita no chão // deixa no campo // semente de pão (3)
O ndulante tom de verde // gado no pasto // salpicando a vida (2)
Celinha Viol 1
Lourdes Ramos 2
Marco Bastos 3
Rosemary S. Mizrahi 4
Dirce Carneiro 5
TRÍVIOLETRA TS : CAMPO.
C hove chuva // BROTOS NA TERRA // o verde cresce - alimenta, veste (1)
O ndulante tom de verde // gado no pasto // salpicando a vida (2)
P ois trigo que deita no chão // deixa no campo // semente de pão (3)
M anada apartada // arrefece peão // vela a lua (4)
A mar o torrão // regar a terra // sementeiras que dão (5)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Inez Alves
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
8 de novembro
(1393) TRÍVIOLETRA TC : VIDA
V oo de ré // pequeno pássaro // de volta ao ninho (2)
I nfância em festa // FLASHBACK // pensamento em preto e branco (1)
D edo mindinho, seu vizinho // pai de todos // cadê todo mundo?(4)
A s brincadeiras // nas ruas do passado // visitam-me agora.(3)
Celinha Viol 1
Marcia Portella 2
Maria Lima 3
Lourdes Ramos 4
TRÍVIOLETRA TS : VIDA
I nfância em festa // FLASHBACK // pensamento em preto e branco (1)
V oo de ré // pequeno pássaro // de volta ao ninho (2)
A s brincadeiras // nas ruas do passado // visitam-me agora.(3)
D edo mindinho, seu vizinho // pai de todos // cadê todo mundo?(4)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Lima
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
8 de novembro
(1392) TRÍVIOLETRA TC : OLEIRO
O barro entre as mãos // MASSA NOS PÉS // potes, panelas - roda viva (1)
L ogo surgem artes // infinitas possibilidades // mais demãos (2)
E vos tempos // barro e costela // sopro da vida, vira passarinho (6)
I magem de infância // o menino - mãos no barro // os olhos em mim (4)
R oda - o barro // feijão na tigela // na janela - vaso de flor.(5)
O ritmo encanta // em lúdico gesto // a massa de barro amassa (3).
Celinha Viol 1, 5
Lourdes Ramos 2
Elischa Dewes 3
Dirce Carneiro 4
Marco Bastos 6
TRÍVIOLETRA TS : OLEIRO
O barro entre as mãos // MASSA NOS PÉS // potes, panelas - roda viva (1)
L ogo surgem artes // infinitas possibilidades // mais demãos (2)
O ritmo encanta // em lúdico gesto // a massa de barro amassa (3).
I magem de infância // o menino - mãos no barro // os olhos em mim (4)
R oda - o barro // feijão na tigela // na janela - vaso de flor.(5)
E vos tempos // barro e costela // sopro da vida, vira passarinho (6)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Lima
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
8 de novembro
(1391) TRÍVIOLETRA (TC): CANHOTO
C ortado abruptamente // tronco seco // pau carunchado (2)
A cidade camuflada // trilha - travessia // estrada de sangue (3)
N em torto, ou de lado // - anda o bom da vida // - pros lados, só caranguejos (5)
H aibun no ray-ban // CAVIAR, FLOR DE JASMIM // - Trilha de Ho Chi Minh (1)
O sinistro e o destro // no viés das ondas // mesmo barco e mar (6)
T endência natural // via torta // Endireitar ou esquerdar? (4)
O utros tempos // letras de paz // mais letras, no convés, já não convêm (7)
Marco Bastos 1, 5, 7
Lourdes Ramos 2
Celinha Viol 3
João P. C. Furtado 4
Dirce Carneiro 6
TRÍVIOLETRA (TS): CANHOTO
H aibun no ray-ban // CAVIAR, FLOR DE JASMIM // - Trilha de Ho Chi Minh (1)
C ortado abruptamente // tronco seco // pau carunchado (2)
A cidade camuflada // trilha - travessia // estrada de sangue (3)
T endência natural // via torta // Endireitar ou esquerdar? (4)
N em torto, ou de lado // - anda o bom da vida // - pros lados, só caranguejos (5)
O sinistro e o destro // no viés das ondas // mesmo barco e mar (6)
O utros tempos // letras de paz // mais letras, no convés, já não convêm (7)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Inez Alves
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
3 de novembro
(1390) TRÍVIOLETRA (TC): ANGU.
A caça as bruxas // defesa à vida // brioche - iguaria mortal (3)
N em caroço, nem pescoço // nó górdio // apelam para a espada (2)
G oela abaixo // PROTECTING THE GEESE: // - pas pâté de foie gras. (1)
U ma rainha // de mau gosto // disse angu, - glugluglu disse o peru (4)
Marco Bastos 1, 4
Maria Inez Alves 2
Celinha Viol 3
TRÍVIOLETRA (TS): ANGU.
G oela abaixo // PROTECTING THE GEESE: // - pas pâté de foie gras. (1)
N em caroço, nem pescoço // nó górdio // apelam para a espada (2)
A caça as bruxas // defesa à vida // brioche - iguaria mortal (3)
U ma rainha // de mau gosto // disse angu, - glugluglu disse o peru (4)




1
Celinha Viol
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
1 de novembro
(1389) TRÍVIOLETRA (TC): AFINAL.
A quele hábito // parece trapo velho // puro cetim (4)
F ora gafanhoto // AQUI FALO COMO MONGE // - Galo mais que grilo. (1)
I risada manhã - canta o galo // despertar // luzes acesas (3)
N ão ao devorador // brotos vacilantes // em ervas daninhas (2)
A noiteceu // entre os sons e os silêncios // dorme o gado! (5)
L á, além da utopia // assim a noite, // assim o dia. (6)
Marco Bastos 1, 6
Lourdes Ramos 2
Celinha Viol 3
João P. C. Furtado 4
Maria Lima 5
TRÍVIOLETRA (TS): AFINAL.
F ora gafanhoto // AQUI FALO COMO MONGE // - Galo mais que grilo. (1)
N ão ao devorador // brotos vacilantes // em ervas daninhas (2)
I risada manhã - canta o galo // despertar // luzes acesas (3)
A quele hábito // parece trapo velho // puro cetim (4)
A noiteceu // entre os sons e os silêncios // dorme o gado! (5)
L á, além da utopia // assim a noite, // assim o dia. (6)




1
Celinha Viol
Curtir
Mostrar mais reações
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
25 de outubro
(1388) TRIVIOLETRA TI: PIANITO
P lanos insanos // coroam egos // sombras (6)
I sto ou aquilo // penas que voam // bumerangue (7)
A té quem sabe // futuro incerto // mentes assombram (5)
N avegar no gelo // embaixo água // abismo (4)
I nfinitos sóis // crepúsculos // trêmulas chamas (3)
T inlitam estrelas // na origem mortas // luz tardia (2)
O ndas baixas // OUTRORA CRISTAS // falas dúbias (1)
TRVIOLETRA TS: PIANITO
O ndas baixas // OUTRORA CRISTAS // falas dúbias
T inlitam estrelas // na origem mortas // luz tardia
I nfinitos sóis // crepúsculos // trêmulas chamas
N avegar no gelo // embaixo água // abismo
A té quem sabe // futuro incerto // mentes assombram
P lanos insanos // coroam egos // sombras
I sto ou aquilo // penas que voam // bumerangue
TRIVIOLETRA TI: PIANITO (POEMA DESPIDO)
O ndas baixas , OUTRORA CRISTAS, falas dúbias
T inlitam estrelas , na origem mortas, luz tardia
I nfinitos sóis, crepúsculos, trêmulas chamas
N avegar no gelo, embaixo água, abismo
A té quem sabe, futuro incerto, mentes assombram
P lanos insanos, coroam egos, sombras
I sto ou aquilo, penas que voam, bumerangue
Dirce Carneiro


Visualizado por 3

1
Celinha Viol
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
25 de outubro
( 1387) TRÍVIOLETRA TC : TRILOS
T rinado de tuiuiú // tronco oco // pras bandas do Pantanal (3)
R evoam as maritacas // algazarra // rastros de alegria (2)
I rrompe a alvorada // matinas - voejos, gorjeios // ninhos vazios (4)
L eve pipilar num galho alto // hora de acertar // a revoada (5)
O lugar de Pasárgada // asas pra voar // oásis d'alma (6)
S infonia ao amanhecer // REVOADA // canta a aurora colorida (1)
Celinha Viol 1
Maria Inez Alves 2
Lourdes Ramos 3
Aurea Stela Issa Potumati 4
Marco Bastos 5
Dirce Carneiro 6
TRÍVIOLETRA TS : TRILOS
S infonia ao amanhecer // REVOADA // canta a aurora colorida (1)
R evoam as maritacas // algazarra // rastros de alegria (2)
T rinado de tuiuiú // tronco oco // pras bandas do Pantanal (3)
I rrompe a alvorada // matinas - voejos, gorjeios // ninhos vazios (4)
L eve pipilar num galho alto // hora de acertar // a revoada (5)
O lugar de Pasárgada // asas pra voar // oásis d'alma (6)




1
Celinha Viol
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
24 de outubro
(1386) TRÍVIOLETRA (TC): TATUO
T exto no corpo // engana // desalento da alma (2)
A pele e a urticária // NÃO VÊ QUEM JÁ NÃO ENXERGA // - gado ferrado (1)
T iti e trotóló // de antolhos atolou // miolo e mocotó. (5)
U nderground_movimento // gravado na pele // só cego censura (4)
O alvo sangra // tatu_age // manada, ferrão e boi de carro (3)
Marco Bastos 1, 5
Maria Inez Alves 2
Celinha Viol 3
Aurea Stela Issa Potumati 4
TRÍVIOLETRA (TS): TATUO
A pele e a urticária // NÃO VÊ QUEM JÁ NÃO ENXERGA // - gado ferrado (1)
Texto no corpo // engana // desalento da alma (2)
O alvo sangra // tatu_age // manada, ferrão e boi de carro (3)
U nderground_movimento // gravado na pele // só cego censura (4)
T iti e trotóló // de antolhos atolou // miolo e mocotó. (5)


Visualizado por 4


5
Você, Celinha Viol, Maria Inez Alves e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
22 de outubro
(1385) TRÍVIOLETRA (TC): CONDOR.
C om dores // ATRIZES E ATORES // na aurora, céu dos albatrozes (1)
O nde quer que vá // fareja a carniça // lendário imortal (5)
N uvens e asas fundem-se // fantasia // narrativas (2)
D or com asas velozes // planando baixo // só me abaixo (3)
O teatro ab_surdo // Ionesco e o néscio // - letras sem olhos de águia (6)
R isos na coxia // palco de babacas // dores - findo o espetáculo (4)
Marco Bastos 1, 6
Maria Inez Alves 2
Lourdes Ramos 3
Celinha Viol 4
Maria Lima 5
TRÍVIOLETRA (TS): CONDOR.
C om dores // ATRIZES E ATORES // na aurora, céu dos albatrozes (1)
N uvens e asas fundem-se // fantasia // narrativas (2)
D or com asas velozes // planando baixo // só me abaixo (3)
R isos na coxia // palco de babacas // dores - findo o espetáculo (4)
O nde quer que vá // fareja a carniça // lendário imortal (5)
O teatro ab_surdo // Ionesco e o néscio // - letras sem olhos de águia (6)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
21 de outubro
(1384) TRÍVIOLETRA (TC): VENTOS.
V olátil e invisível // conduz // - tudo é mutável (6)
E ngana o mar em suaves ondas // das marolas // quebra mar (5)
N a ventania // COM MARÉ SUJA // bom é navegar com vela buja (1)
T esourinha migrante // de rumo perdida // roda-viva (2)
O vento castiga // mar e areia // - sem buja, aderna sem prumo (3)
S ussurra aos montes // segredos gelados // trazidos do sul (4)
Marco Bastos 1
Rosemary S. Mizrahi 2
Celinha Viol 3
Maria Lima 4
Marcia Portella 5
Maria Inez Alves 6
TRÍVIOLETRA (TS): VENTOS.
N a ventania // COM MARÉ SUJA // bom é navegar com vela buja (1)
T esourinha migrante // de rumo perdida // roda-viva (2)
O vento castiga // mar e areia // - sem buja, aderna sem prumo (3)
S ussurra aos montes // segredos gelados // trazidos do sul (4)
E ngana o mar em suaves ondas // das marolas // quebra mar (5)
V olátil e invisível // conduz // - tudo é mutável (6)


Visualizado por 3

4
Você, Celinha Viol, Maria Inez Alves e Maria Lima
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
21 de outubro
(1383) TRIVIOLETRA (TC): CAMÕES
C hamou? - Queria ? // VAI SER POETA NA VIDA! // - Pois é ... pois_ ia (1)
A mor e dor // sina de vida // sal e mel (3)
M uda - se o ser // mundo - mudança // - Poeta nasce no poema (2)
Ô alma minha, te rebela // se ao belo a quem serves // - cega a servidão (6)
E ntão de além mar // ondas murmuram // é poeta é poesia (4)
S er poeta, ó lusíada! // é ser gauche? // anjo torto? ou Raimundo? (5)
Marco Bastos 1, 6
Celinha Viol 2
Maria Inez Alves 3
Marcia Portella 4
Aurea Stela Issa Potumati 5
TRIVIOLETRA (TS): CAMÕES
C hamou? - Queria ? // VAI SER POETA NA VIDA! // - Pois é ... pois_ ia (1)
M uda - se o ser // mundo - mudança // - Poeta nasce no poema (2)
A mor e dor // sina de vida // sal e mel (3)
E ntão de além mar // ondas murmuram // é poeta é poesia (4)
S er poeta, ó lusíada! // é ser gauche? // anjo torto? ou Raimundo? (5)
Ô alma minha, te rebela // se ao belo a quem serves // - cega a servidão (6)


Visualizado por 3

4
Você, Celinha Viol, Rosemary S. Mizrahi e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
19 de outubro
(1382) TRÍVIOLETRA TC : ÁRIDO
Á rido, seco, estéril // CHUVA DE AREIA // - a flor do deserto (1)
R ústica e delicada // a vida como é // - não espera o bom tempo (3)
I ndiferença no céu // leito dos rios // só sequidão (4)
D o mandacaru espinhoso // sem regas nem podas // frutos carnudos (2)
O rio seco // vento sem cio // mandacaru sem flor (5)
Celinha Viol 1
Maria Inez Alves 2
Marco Bastos 3
Lourdes Ramos 4
Marcia Portella 5
TRÍVIOLETRA TS : ÁRIDO
Á rido, seco, estéril // CHUVA DE AREIA // - a flor do deserto (1)
D o mandacaru espinhoso // sem regas nem podas // frutos carnudos (2)
R ústica e delicada // a vida como é // - não espera o bom tempo (3)
I ndiferença no céu // leito dos rios // só sequidão (4)
O rio seco // vento sem cio // mandacaru sem flor (5)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
17 de outubro
(1381) TRÍVIOLETRA TC : DA RUA
D o um ao céu // AMARELINHA // pula a menina - voa o tempo (1)
A inda me lembro // o tempo voando // nas asas do vento (3)
-
R oda roda // cirandam todos // volta e meia têm que dar (2)
U ltimato materno avisa // é hora // roda pião (4)
A Bahia, buscar o chapéu // voar na pipa // passa_anel (5)
Celinha Viol 1
Maria Inez Alves 2
Lourdes Ramos 3
Rosemary S. Mizrahi 4
Dirce Carneiro 5
TRÍVIOLETRA TS : DA RUA
D o um ao céu // AMARELINHA // pula a menina - voa o tempo (1)
R oda roda // cirandam todos // volta e meia têm que dar (2)
A inda me lembro // o tempo voando // nas asas do vento (3)
-
U ltimato materno avisa // é hora // roda pião (4)
A Bahia, buscar o chapéu // voar na pipa // passa_anel (5)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
5 de outubro
(1380) TRÍVIOLETRA (TC): APITO
A rbitro e juiz // soprou por prazer // coitada da mãe. (4)
P ito pelo apito // fora de hora // acabou a função (5)
I gual ao do trem // BICHO DO MATO // - tuba, oboé cavernoso (1)
T enaz insolente// rompe o silêncio // cessa o idílio (3)
O coração que palpita // zoada frenética // um leão que apita (2)
Marco Bastos 1
Dirce Carneiro 2
Rosemary S. Mizrahi 3
João P. C. Furtado 4
Maria Inez Alves 5
TRÍVIOLETRA (TC): APITO
I gual ao do trem // BICHO DO MATO // - tuba, oboé cavernoso (1)
O coração que palpita // zoada frenética // um leão que apita (2)
T enaz insolente// rompe o silêncio // cessa o idílio (3)
A rbitro e juiz // soprou por prazer // coitada da mãe. (4)
P ito pelo apito // fora de hora // acabou a função (5)


Visualizado por 5

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
2 de outubro
(1379) TRÍVIOLETRA (TC): URTIGA
U rtiga coça // pica, enrosca // pé inchado - tiririca (2)
R ubra saúva passa // PRAGA ANTIGA // - no rastro, urtiga e tiririca (1)
T oque que queima // fogo sem chama // brasa que coça (3)
I guaria à mesa // em medicina, cura // é a literatura (5)
G oela queima // fogo ainda cresce // tem mato que povo algum merece (6)
A herança maldita // pé ladravaz // quando se vai, terra arrasada (4)
Marco Bastos 1, 4, 6
Celinha Viol 2
Maria Lima 3
Dirce Carneiro 5
TRÍVIOLETRA (TS): URTIGA
R ubra saúva passa // PRAGA ANTIGA // - no rastro, urtiga e tiririca (1)
U rtiga coça // pica, enrosca // pé inchado - tiririca (2)
T oque que queima // fogo sem chama // brasa que coça (3)
A herança maldita // pé ladravaz // quando se vai, terra arrasada (4)
I guaria à mesa // em medicina, cura // é a literatura (5)
G oela queima // fogo ainda cresce // tem mato que povo algum merece (6)


Visualizado por 3

5
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 3 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
28 de setembro
(1378) TRÍVIOLETRA TC : AZUL.
A zula o horizonte // LONJURA // cambiante fascina - não dura (1)
Z en o som do universo // —Ouça! // tão lindo! (2)
U nidos pelo Horizonte // encontro de céu e mar // amar é (4)
L á onde o olhar alcança // diluem-se mar e luar // paz! (3)
Celinha Viol 1
Maria Lima 2
Elischa Dewes 3
Lourdes Ramos 4
TRÍVIOLETRA TS : AZUL.
A zula o horizonte // LONJURA // cambiante fascina - não dura (1)
Z en o som do universo // —Ouça! // tão lindo! (2)
L á onde o olhar alcança // diluem-se mar e luar // paz! (3)
U nidos pelo Horizonte // encontro de céu e mar // amar é (4)


Visualizado por 2

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
28 de setembro
(1377) TRIVIOLETRA TC: ESTAÇÃO.
E xiste algo novo // PRIMAVERA // cores, flores, devir (1)
S ão flores ao vento // cores da primavera // recomeços, acertos (6)
T empo de ser // sorrir e acolher // a alegria hibernada (5)
A o estar são // corpo são em mente sã // nova estação (2)
Ç éu de primavera // cheira a flor // florescer e crescer - devenir (3)
à s folhas caem // árvores despem-se // Outono cumprimenta. (4)
O utono fresco // Vento e chuva // Inverno quer dar abraço. (7)
Dirce Carneiro, 1, 5
Lourdes Ramos, 2
Celinha Viol, 3, 6
João P. C. Furtado, 4, 7
TRIVIOLETRA TS: ESTAÇÃO.
E xiste algo novo // PRIMAVERA // cores, flores, devir (1)
A o estar são // corpo são em mente sã // nova estação (2)
Ç éu de primavera // cheira a flor // florescer e crescer - devenir (3)
à s folhas caem // árvores despem-se // Outono cumprimenta. (4)
T empo de ser // sorrir e acolher // a alegria hibernada (5)
S ão flores ao vento // cores da primavera // recomeços, acertos (6)
O utono fresco // Vento e chuva // Inverno quer dar abraço. (7)
POEMA DESPIDO: ESTAÇÃO.
E xiste algo novo, PRIMAVERA, cores, flores, devir
A o estar são, corpo são em mente sã, nova estação
Ç éu de primavera, cheira a flor, florescer e crescer - devenir
à s folhas caem, árvores despem-se, Outono cumprimenta.
T empo de ser, sorrir e acolher, a alegria hibernada
S ão flores ao vento, cores da primavera, recomeços, acertos
O utono fresco, Vento e chuva, Inverno quer dar abraço.


Visualizado por 3

4
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
23 de setembro
(1376) TRÍVIOLETRA TC : BAÚS 1
B ordados e rendas // vestidos de crepe // passado vivido (3)
A chave na mão // SÚBITA DESCOBERTA // - o anel da mamãe (1)
Ú mas histórias // contadas // - abre-se o baú - vida bem diferente (4)
S e esse baú falasse // quantas histórias // momentos guardados (2)
Celinha Viol 1
Dirce Carneiro 2
Maria Inez Alves 3
Marco Bastos 4
TRÍVIOLETRA TS : BAÚS 1
A chave na mão // SÚBITA DESCOBERTA // - o anel da mamãe (1)
S e esse baú falasse // quantas histórias // momentos guardados (2)
B ordados e rendas // vestidos de crepe // passado vivido (3)
Ú mas histórias // contadas // - abre-se o baú - vida bem diferente (4)


Visualizado por 2

2
Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
21 de setembro
(1375) TRÍVIOLETRA TC : BAÚS
B ela saudade // valor ancestral // tamanco quebrado.(3)
A gora sem chaves // difícil de abrir // histórias trancadas(4)
Ú midas lembranças // bonecas de olhos vidrados // mofando...(2)
S egredos perdidos // SONHOS, HISTÓRIAS // - o cachimbo do vovô (1)
Celinha Viol 1
Lourdes Ramos 2
João P. C. Furtado 3
Maria Lima 4
TRÍVIOLETRA TS : BAÚS
S egredos perdidos // SONHOS, HISTÓRIAS // - o cachimbo do vovô (1)
Ú midas lembranças // bonecas de olhos vidrados // mofando...(2)
B ela saudade // valor ancestral // tamanco quebrado.(3)
A gora sem chaves // difícil de abrir // histórias trancadas(4)


Visualizado por 2

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
21 de setembro
(1374) TRÍVIOLETRA TC : ÍMPETO
Í mpeto abusivo // frutas no pomar // - o vizinho e o cachorro (6)
M anifesta-se com ardor // tal qual o vento // nada o detém (5)
P ostura intensa e serena // O CONTROLE // - impulso domado (1)
E jorra o sangue // a veia infla // às vezes intui e a mente salva (3)
T remendo impulso // fuga para frente // precipício à vista.(4)
O ndas impetuosas // chicoteiam rochedos // rendadas espumas (2)
Celinha Viol 1, 6
Lourdes Ramos 2
Dirce Carneiro 3
João P. C. Furtado 4
Maria Lima 5
TRÍVIOLETRA TS : ÍMPETO
P ostura intensa e serena // O CONTROLE // - impulso domado (1)
O ndas impetuosas // chicoteiam rochedos // rendadas espumas (2)
E jorra o sangue // a veia infla // às vezes intui e a mente salva (3)
T remendo impulso // fuga para frente // precipício à vista.(4)
M anifesta-se com ardor // tal qual o vento // nada o detém (5)
Í mpeto abusivo // frutas no pomar // - o vizinho e o cachorro (6)


Visualizado por 2

3
Celinha Viol, Rosemary S. Mizrahi e Lúcia Leite
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
16 de setembro
(1373) TRÍVIOLETRA TC : PEDRA.
P ó abrasivo // ESMERIL // faca na roda - a pedra corta a pedra (1)
E st Petrus // crosta solitária // suspiro do deserto (3)
D a ganga impura, nem o traço // a pedra dura // afia a faca (2)
R esta alguma pedra? // Tudo foi no vento // areia no deserto.(5)
A faísca no ar // trisca arestas // bruta-rara-preciosa (4)
Celinha Viol 1
Marco Bastos 2
Rosemary S. Mizrahi 3
Dirce Carneiro 4
João P. C. Furtado 5
TRÍVIOLETRA TS : PEDRA.
P ó abrasivo // ESMERIL // faca na roda - a pedra corta a pedra (1)
D a ganga impura, nem o traço // a pedra dura // afia a faca (2)
E st Petrus // crosta solitária // suspiro do deserto (3)
A faísca no ar // trisca arestas // bruta-rara-preciosa (4)
R esta alguma pedra? // Tudo foi no vento // areia no deserto.(5


Visualizado por 2

3
Você, Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
14 de setembro
(1372) TRÍVIOLETRA TC : ANDANDO
A ndo no mundo da lua // MENTE O SONHO // no muro do tempo (1)
N ada daqui se leva // segue errante andarilho // roda o sarilho (2)
D escaminhos excêntricos // declino a mentira // incrível fantasia (3)
A inda caminhos // estradas, trilhas, vielas // vias verde-amarelas (5)
N ovos caminhos // metas, rotas, lutas // leve caminhar - feitiço (6)
D os passos dados // dos sonhos findos // ainda há caminhos (4)
O rumo no astrolábio // o sonho da bruxa mente // no sol poente (7)
Celinha Viol 1, 6
Lourdes Ramos 2
Aurea Stela Issa Potumati 3
Dirce Carneiro 4
Marco Bastos 5, 7
TRÍVIOLETRA TS : ANDANDO
A ndo no mundo da lua // MENTE O SONHO // no muro do tempo (1)
N ada daqui se leva // segue errante andarilho // roda o sarilho (2)
D escaminhos excêntricos // declino a mentira // incrível fantasia (3)
D os passos dados // dos sonhos findos // ainda há caminhos (4)
A inda caminhos // estradas, trilhas, vielas // vias verde-amarelas (5)
N ovos caminhos // metas, rotas, lutas // leve caminhar - feitiço (6)
O rumo no astrolábio // o sonho da bruxa mente // no sol poente (7)


Visualizado por 6

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
13 de setembro
(1371) TRÍVIOLETRA (TC): ANDANTE
A ndante, clara manhã // NO AMANHECER DE SETEMBRO // - brancas nuvens (1)
N ascer do sol, luz e cor // doura a pele canela // gratidão (2)
D escompasso no passo // dama-da-noite em flor // se fecha na aurora (5)
A tez corada // sob o sol da aurora // luzes - desejo de voar (4)
N a andante flânerie // pedras do caminho // allegro ma non troppo (6)
T antas veredas // nuvens e flores // olhos e pernas (3)
E flâneur flana // leve caminhar // - música e fantasia (7)
Marco Bastos 1, 6
Dirce Carneiro 2
Maria Lima 3
Celinha Viol 4, 7
Aurea Stela Issa Potumati 5
TRÍVIOLETRA (TS): ANDANTE
A ndante, clara manhã // NO AMANHECER DE SETEMBRO // - brancas nuvens (1)
N ascer do sol, luz e cor // doura a pele canela // gratidão (2)
T antas veredas // nuvens e flores // olhos e pernas (3)
A tez corada // sob o sol da aurora // luzes - desejo de voar (4)
D escompasso no passo // dama-da-noite em flor // se fecha na aurora (5)
N a andante flânerie // pedras do caminho // allegro ma non troppo (6)
E flâneur flana // leve caminhar // - música e fantasia (7)


Visualizado por 2


3
Você, Celinha Viol e Lúcia Leite

Amei
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
12 de setembro
(1370) TRÍVIOLETRA TC : INSÍDIA
I nsiste a fala em gesto // faca de dois gumes // corte em votos (4)
N as trevas a cilada dos fatos // a traição // e a ira mentira (6)
S obre ombros erguidos // a insídia espreita // olha a faca! (3)
Í nsólita emboscada // algoz, um átimo // brilho do aço - paixão (5)
D a liberdade // cortados estão // bichos em alçapões (2)
I ludido falaz // na evulsão, culpa // alea jacta est (7)
A rdil // VIDA BANDIDA // oh! falácia - cilada maldita (1)
Celinha Viol 1
Maria Lima 2
Lourdes Ramos 3
Dirce Carneiro 4
Aurea Stela Issa Potumati 5, 7
Marco Bastos 6
TRÍVIOLETRA TS : INSÍDIA
A rdil // VIDA BANDIDA // oh! falácia - cilada maldita (1)
D a liberdade // cortados estão // bichos em alçapões (2)
S obre ombros erguidos // a insídia espreita // olha a faca! (3)
I nsiste a fala em gesto // faca de dois gumes // corte em votos (4)
Í nsólita emboscada // algoz, um átimo // brilho do aço - paixão (5)
N as trevas a cilada dos fatos // a traição // e a ira mentira (6)
I ludido falaz // na evulsão, culpa // alea jacta est (7)


Visualizado por 6

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
7 de setembro
(1369) TRÍVIOLETRA TC : VENDA.
V enda nos olhos // bodega e boteco // bode velho co´saco.(2)
E ntrega caderneta // fia -se confiança // pão fresco (3)
N egócio rendoso // na tasca , freguesia // sinuca _sangangu (5)
D elícias, utensílios // O FREGUÊS // dominó, papo e cachaça (1)
A umentaram os preços // -do quê? // - de tudo (4)
Celinha Viol 1
Marco Bastos 2
Rosemary S. Mizrahi 3
Maria Lima 4
Aurea Stela Issa Potumati 5
TRÍVIOLETRA TS : VENDA.
D elícias, utensílios // O FREGUÊS // dominó, papo e cachaça (1)
V enda nos olhos // bodega e boteco // bode velho co´saco.(2)
E ntrega caderneta // fia -se confiança // pão fresco (3)
A umentaram os preços // -do quê? // - de tudo (4)
N egócio rendoso // na tasca , freguesia // sinuca _sangangu (5)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
7 de setembro
(1368) TRÍVIOLETRA (TC): UM RAIO
U m lago manso // transparente // - de repente, o canto do Acauã (2)
M urmuram as águas // e o capitão // forma-se tempestade (3)
R eflete o corisco // velame enfunado // do poente, Mistral (4)
A paz no lago // VELAS AO VENTO // - no escuro, o raio, velas acesas (1)
Inda que chegue a tormenta // olhos // e braços inertes (5)
O bstinado marujo // singra águas sob procela // velas envergadas (6)
Marco Bastos 1
Celinha Viol 2
Maria Lima 3
Aurea Stela Issa Potumati 4, 6
Rosemary S. Mizrahi 5
TRÍVIOLETRA (TS): UM RAIO
A paz no lago // VELAS AO VENTO // - no escuro, o raio, velas acesas (1)
U m lago manso // transparente // - de repente, o canto do Acauã (2)
M urmuram as águas // e o capitão // forma-se tempestade (3)
R eflete o corisco // velame enfunado // do poente, Mistral (4)
Inda que chegue a tormenta // olhos // e braços inertes (5)
O bstinado marujo // singra águas sob procela // velas envergadas (6)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
5 de setembro
(1367) TRÍVIOLETRA (TC): LEVEZA
L eve poema na cabeça // BATE UM VENTO // - nem verso, nem mesa (1)
E nlevadas pelo vento // folhas secas // brincam de pega-pega (4)
V eleja sem leme // sem busca // sem marinheiro a bordo (2)
É leve o instante // pensamentos voam // verso roubado (5)
Z ás-trás // assim ele farfalha // pra lá e pra cá (6)
A sas em movimento // voam festas em frestas // pleno (3)
Marco Bastos 1
Rosemary S. Mizrahi 2
Lourdes Ramos 3
Maria Inez Alves 4
Celinha Viol 5
Maria Lima 6
TRÍVIOLETRA (TS): LEVEZA
L eve poema na cabeça // BATE UM VENTO // - nem verso, nem mesa (1)
V eleja sem leme // sem busca // sem marinheiro a bordo (2)
A sas em movimento // voam festas em frestas // pleno planando (3)
E nlevadas pelo vento // folhas secas // brincam de pega-pega (4)
É leve o instante // pensamentos voam // verso roubado (5)
Z ás-trás // assim ele farfalha // pra lá e pra cá (6)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
5 de setembro
(1366) TRIVIOLETRA TC: LUZIA
L uzia, soberana // PRIMA DONA // americana (1)
U m tesouro arqueológico // Luzia se foi // - fogo atroz (3)
Z elosa dormia // cinza com história // caveira falante (2)
I rada lamentação // ópio do povo // - de concreto, nada (5)
A rdente câmara triste // foi-se a primeira // luzeira mulher (4)
Dirce Carneiro, 1
João P. C. Furtado, 2
Celinha Viol, 3
Aurea Stela Issa Potumati, 4
Marco Bastos, 5
TRIVIOLETRA TS:LUZIA
L uzia, soberana // PRIMA DONA // americana (1)
Z elosa dormia // cinza com história // caveira falante (2)
U m tesouro arqueológico // Luzia se foi // - fogo atroz (3)
A rdente câmara triste // foi-se a primeira // luzeira mulher (4)
I rada lamentação // ópio do povo // - de concreto, nada (5)


Visualizado por 2

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
4 de setembro
(1365) TRÍVIOLETRA (TC): FAREWEL
F ubá cozido sem mel? // go, go, Superman // c'est pas possible (3)
A deus com significados // fatos anormais // sem perdas nem ganhos (5)
R esta caroço // Angu e Luzia // nada bem ficaram.(6)
E stou por fora // não falo gringo // só tutu de feijão. (4)
W hat have happen, Superman? // FAREWELL // - muito angu e pouco mel (1)
E agora Luzia? // está tudo queimado // Luzia, e agora!? (7)
L onge, muito longe // nenhum mel // e no angu , só caroço (2)
Marco Bastos 1
Maria Inez Alves 2
Celinha Viol 3
Marcia Portella 4
Aurea Stela Issa Potumati 5
João P. C. Furtado 6
Maria Lima 7
TRÍVIOLETRA (TS): FAREWEL
W hat have happen, Superman? // FAREWELL // - muito angu e pouco mel (1)
L onge, muito longe // nenhum mel // e no angu , só caroço (2)
F ubá cozido sem mel? // go, go, Superman // c'est pas possible (3)
E stou por fora // não falo gringo // só tutu de feijão. (4)
A deus com significados // fatos anormais // sem perdas nem ganhos (5)
R esta caroço // Angu e Luzia // nada bem ficaram.(6)
E agora Luzia? // está tudo queimado // Luzia, e agora!? (7)


Visualizado por 2

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
3 de setembro
(1364) TRÍVIOLETRA TC/TS : VARAL.
V estido de festa // SURRADO AVENTAL // quintal - segredos do tempo (1)
A roma de flor // bailando ao vento // limpo encantamento (2)
R oupas sem pudor // exibem-se ao sol // tarefa diária (3)
A vida em cordéu // avental - tela pintada // emoções (4)
L eve cordel // na corda sol // a fantasia de Pierrô.(5)
Celinha Viol 1
Lourdes Ramos 2
Maria Inez Alves 3
Dirce Carneiro 4
Marco Bastos 5


Visualizado por 2

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Lima
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
3 de setembro
(1363) TRÍVIOLETRA TC : SOFISMA
S imulacro irreal // a verdade mente // torta aparência (3)
O insofismável, tão longe // tudo é relativo // lawfare (5)
F also imprudente // trapaça no jogo // subverte conceitos (6)
I lusão de verdade // brilha mas é treva // ouro de tolo (2)
S er humano // os dois lados da moeda // outra verdade (7)
M ente que mente // fala mansa //- é fuxico (4)
A fala mansa // BATOTA // - doce mentira, ardiloso jogo (1)
Celinha Viol 1
Dirce Carneiro 2, 5
Lourdes Ramos 3
Marcia Portella 4
Aurea Stela Issa Potumati 6
João P. C. Furtado 7
TRÍVIOLETRA TS : SOFISMA
A fala mansa // BATOTA // - doce mentira, ardiloso jogo (1)
I lusão de verdade // brilha mas é treva // ouro de tolo (2)
S imulacro irreal // a verdade mente // torta aparência (3)
M ente que mente // fala mansa //- é fuxico (4)
O insofismável, tão longe // tudo é relativo // lawfare (5)
F also imprudente // trapaça no jogo // subverte conceitos (6)
S er humano // os dois lados da moeda // outra verdade (7)


Visualizado por 1

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e 1 outra pessoa
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
3 de setembro
(1362) TRÍVIOLETRA (TC): SINCERA
S ó não foi santa // enxame de queixume // reza - quanta! (2)
I ngênua, coitada // no mundo da lua // - Céu Terreno (3)
N ada malocado // descobrindo véus // com almas ao léu (5)
C onta e reconta // verdades e mentiras // suas e dos outros (4)
E ra pra entrar // - SOU CHATA PRA DEDÉU!... // - Chata entra no céu! (1)
R etro, tô fora // pronto - falei // curto, grosso e francamente (6)
A gora vi // foi bom que foi // - era a mulher do satanás.(7)
Marco Bastos 1, 7
Dirce Carneiro 2, 6
Celinha Viol 3
Maria Inez Alves 4
Lourdes Ramos 5
TRÍVIOLETRA (TS): SINCERA
E ra pra entrar // - SOU CHATA PRA DEDÉU!... // - Chata entra no céu! (1)
S ó não foi santa // enxame de queixume // reza - quanta! (2)
I ngênua, coitada // no mundo da lua // - Céu Terreno (3)
C onta e reconta // verdades e mentiras // suas e dos outros (4)
N ada malocado // descobrindo véus // com almas ao léu (5)
R etro, tô fora // pronto - falei // curto, grosso e francamente (6)
A gora vi // foi bom que foi // - era a mulher do satanás.(7)


Visualizado por 3


5
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 3 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
1 de setembro
(1361) TRIVIOLETRA TC: UTOPIAS
U rano _ o Universo // no olhar, infinitude // sonhos, quimeras (3)
T abo a navegar // estrela a alcançar // moinhos a rodar (6)
O bcecado caminhante // olhar difuso // iluso camicase (7)
P ensar fora da caixa // ALÉM DO HORIZONTE // louco ou visionário (1)
I lusionista // acorda na corda bamba // corda sem caçamba (2)
A esperança irrealizável // quimera // - caminho inatingível (4)
S onhos de andarilho // sapatos apertados // botas de sete léguas (5)
Dirce Carneiro, 1, 6
Lourdes Ramos ,2
Aurea Stela Issa Potumati, 3, 7
Celinha Viol, 4
Marco Bastos, 5
TRIVIOLETRA TS: UTOPIAS
P ensar fora da caixa // ALÉM DO HORIZONTE // louco ou visionário (1)
I lusionista // acorda na corda bamba // corda sem caçamba (2)
U rano _ o Universo // no olhar, infinitude // sonhos, quimeras (3)
A esperança irrealizável // quimera // - caminho inatingível (4)
S onhos de andarilho // sapatos apertados // botas de sete léguas (5)
T abo a navegar // estrela a alcançar // moinhos a rodar (6)
O bcecado caminhante // olhar difuso // iluso camicase (7)
TRIVIOLETRA UTOPIAS
Poema despido
P ensar fora da caixa, ALÉM DO HORIZONTE, louco ou visionário
I lusionista, acorda na corda bamba, corda sem caçamba
U rano _ o Universo, no olhar, infinitude, sonhos, quimeras
A esperança irrealizável, quimera - caminho inatingível
S onhos de andarilho, sapatos apertados, botas de sete léguas
T abo a navegar, estrela a alcançar, moinhos a rodar
O bcecado caminhante, olhar difuso, iluso camicase
Dirce Carneiro, 1, 6
Lourdes Ramos ,2
Aurea Stela Issa Potumati, 3, 7
Celinha Viol, 4
Marco Bastos, 5


Visualizado por 2

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
1 de setembro
(1360) TRÍVIOLETRA (TC): BARULHO.
.
B arafunda, beleléu // subir paredes // da gaiola pro céu (7)
A drelalina pura // vazio da vida // - areia no brinquedo (2)
R onco dos motores // zoada no ouvido // saudade do sossego (3)
U rros de animal acuado // trincheiras // decibéis a mil (5)
L amentável tumulto // laissez-faire refreia // desordem na mente (6)
H averá oásis? // falsos profetas // prometem desertos (4)
O silêncio dói // BARULHO NA CABEÇA // - pulo como sapo (1)
Marco Bastos 1, 7
Celinha Viol 2
Aurea Stela Issa Potumati 3, 6
Rosemary S. Mizrahi 4
Dirce Carneiro 5
.
TRÍVIOLETRA (TS): BARULHO.
.
O silêncio dói // BARULHO NA CABEÇA // - pulo como sapo (1)
A drelalina pura // vazio da vida // - areia no brinquedo (2)
R onco dos motores // zoada no ouvido // saudade do sossego (3)
H averá oásis? // falsos profetas // prometem desertos (4)
U rros de animal acuado // trincheiras // decibéis a mil (5)
L amentável tumulto // laissez-faire refreia // desordem na mente (6)
B arafunda, beleléu // subir paredes // da gaiola pro céu (7)


Visualizado por 2

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
29 de agosto
(1359) TRÍVIOLETRA (TC): BALADA
B rilho nos olhares // RÁPIDOS NO GATILHO // - o gato e o passarinho (1)
A o fim do duelo // balas perdidas zunem // cumprimentam o morto (4)
L eva no cinto // pistoleiro de aluguel // tiro ao pombo (2)
A tira no escuro // acerta o nada // troca passo na queda.(5)
D e luzes luzidias // olho vivo ou morto // pisca-pisca nas pistas (3)
A stúcia // artimanha perfeita // o lobo e o cordeiro (6)
Marco Bastos 1
Marcia Portella 2
Lourdes Ramos 3
Aurea Stela Issa Potumati 4
João P. C. Furtado 5
Celinha Viol 6
TRÍVIOLETRA (TS): BALADA
B rilho nos olhares // RÁPIDOS NO GATILHO // - o gato e o passarinho (1)
L eva no cinto // pistoleiro de aluguel // tiro ao pombo (2)
D e luzes luzidias // olho vivo ou morto // pisca-pisca nas pistas (3)
A o fim do duelo // balas perdidas zunem // cumprimentam o morto (4)
A tira no escuro // acerta o nada // troca passo na queda.(5)
A stúcia // artimanha perfeita // o lobo e o cordeiro (6)


Visualizado por 7

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
29 de agosto
(1358) TRÍVIOLETRA (TC): NO PAGO
N as cordas, o meio fio // cerra cenho // sai pianinho (2)
O pampa enfeitiça // a prenda enlaça // o gaucho derreia (3)
P apo de guapo, pro capo // SEM GENI // nem jenipapo (1)
A guenta na sela // pinote do cavalo // Geni e sua árvore (6)
G aúcho no pasto // é bom de laço // nos pampas enlaça (5)
O pago, no pago sai caro // se pega de jeito // fica pago (4)
Marco Bastos 1
Dirce Carneiro 2
Maria Inez Alves 3
Lourdes Ramos 4
Marcia Portella 5
Aurea Stela Issa Potumati 6
TRÍVIOLETRA (TS): NO PAGO
P apo de guapo, pro capo // SEM GENI // nem jenipapo (1)
N as cordas, o meio fio // cerra cenho // sai pianinho (2)
O pampa enfeitiça // a prenda enlaça // o gaucho derreia (3)
O pago, no pago sai caro // se pega de jeito // fica pago (4)
G aúcho no pasto // é bom de laço // nos pampas enlaça (5)
A guenta na sela // pinote do cavalo // Geni e sua árvore (6)
TRÍVIOLETRA : NO PAGO
Poema despido.
Papo de guapo, pro capo. SEM GENI, nem jenipapo
Nas cordas, o meio fio. Cerra cenho, sai pianinho
O pampa enfeitiça. A prenda enlaça. O gaúcho derreia
O pago, no pago sai caro, se pega de jeito, fica pago
Gaúcho no pasto é bom de laço. Nos pampas enlaça
Aguenta, na sela, pinote do cavalo. Geni e sua árvore
Marco Bastos 1
Dirce Carneiro 2
Maria Inez Alves 3
Lourdes Ramos 4
Marcia Portella 5
Aurea Stela Issa Potumati 6


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
28 de agosto
(1357) TRÍVIOLETRA TC : CELEIRO.
C omida farta // festejo na noite //agradecimento à Gaia.(4)
E sparge bênção // vacas gordas // dança da graça (5)
L avoura no paiol // A GRANDE COLHEITA // - na tulha, acolhida (1)
E rvas daninhas // míseros grãos // depósito? Banco pobre.(7)
I nvasão de terra // inviabiliza messe // silos vazios (6)
R ecolhidas sementeiras // compasso de espera // vida silente (3)
O celeiro // fartura de amanhã // - colher, guardar e consumir (2)
Celinha Viol 1
Marco Bastos 2
Lourdes Ramos 3
Marcia Portella 4
Dirce Carneiro 5
Aurea Stela Issa Potumati 6
João P. C. Furtado 7
TRÍVIOLETRA TS : CELEIRO.
L avoura no paiol // A GRANDE COLHEITA // - na tulha, acolhida (1)
O celeiro // fartura de amanhã // - colher, guardar e consumir (2)
R ecolhidas sementeiras // compasso de espera // vida silente (3)
C omida farta // festejo na noite //agradecimento à Gaia.(4)
E sparge bênção // vacas gordas // dança da graça (5)
I nvasão de terra // inviabiliza messe // silos vazios (6)
E rvas daninhas // míseros grãos // depósito? Banco pobre.(7)


Visualizado por 8

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
26 de agosto
(1356) TRÍVIOLETRA (TC): CAFOFO
C andeia aclara // devassa esconderijo // deleite da vizinha (3)
A parede pintada // as almofadas // - chama em noite fria (5)
F undo profundo sem fundo // gosto de escondidinho // aperto (2)
O foguista no cafofo // TEM LABAREDA // - Parece dona Chica. (1)
F ogo brando // caldo quentinho // broa da vizinha.(4)
O cafofo fufufu // venta e vai // na maria-fumaça (6)
Marco Bastos 1, 6
Lourdes Ramos 2
Aurea Stela Issa Potumati 3
João P. C. Furtado 4
Celinha Viol 5
TRÍVIOLETRA (TS): CAFOFO
O foguista no cafofo // TEM LABAREDA // - Parece dona Chica. (1)
F undo profundo sem fundo // gosto de escondidinho // aperto (2)
C andeia aclara // devassa esconderijo // deleite da vizinha (3)
F ogo brando // caldo quentinho // broa da vizinha.(4)
A parede pintada // as almofadas // - chama em noite fria (5)
O cafofo fufufu // venta e vai // na maria-fumaça (6)


Visualizado por 1

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir
Comentar
Comentários



Escreva um comentário...









Celinha Viol
26 de agosto
(1355) TRÍVIOLETRA (TC): DEJÀ VU
D éjà entendu // viola no saco // samba em Maracangalha (2)
E ntra nessa, não // já vi tudo // por dentro, bela viola (4)
J á vai tarde // solfejar em outra freguesia // do O (3)
À viola em outros mares // difícil mudar // - o mesmo cantar (6)
V ou sem viola // CANTAR NOUTRO LUGAR // - O sapo e a festa no céu (1)
Ú ltima notícia? // Tempo da carochinha // tal lobo mau... (5)
Marco Bastos 1
Aurea Stela Issa Potumati 2
Marcia Portella 3
Lourdes Ramos 4
João P. C. Furtado 5
Celinha Viol 6
TRÍVIOLETRA (TS): DEJÀ VU
V ou sem viola // CANTAR NOUTRO LUGAR // - O sapo e a festa no céu (1)
D éjà entendu // viola no saco // samba em Maracangalha (2)
J á vai tarde // solfejar em outra freguesia // do O (3)
E ntra nessa, não // já vi tudo // por dentro, bela viola (4)
Ú ltima notícia? // Tempo da carochinha // tal lobo mau... (5)
À viola em outros mares // difícil mudar // - o mesmo cantar (6)


Visualizado por 6

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
26 de agosto
(1354)TRÍVIOLETRA (TC): CALÇADA.
C omeço e fim // onde antigos vestígios // passeios do Rio? (3)
A neve do tempo // COBRE AS PEGADAS // - nas calçadas da glória (1)
L inhas retas ou curvas // rastros de mestre // eternidade (2)
Ç raquelê do passado // sem mitos // - a neve nunca é fullgas (7)
A sas soltas ao léu // em meio ao meio fio // horizontando (4)
D evaneios // vida segue // tempo passa - idéias permanecem (6)
A ndar de mãos dadas // tempos perdidos // sonhos recordados..(5).
Marco Bastos 1, 7
Maria Inez Alves 2
Aurea Stela Issa Potumati 3
Lourdes Ramos 4
João P. C. Furtado 5
Celinha Viol 6
TRÍVIOLETRA (TS): CALÇADA.
A neve do tempo // COBRE AS PEGADAS // - nas calçadas da glória (1)
L inhas retas ou curvas // rastros de mestre // eternidade (2)
C omeço e fim // onde antigos vestígios // passeios do Rio? (3)
A sas soltas ao léu // em meio ao meio fio // horizontando (4)
A ndar de mãos dadas // tempos perdidos // sonhos recordados..(5)
D evaneios // vida segue // tempo passa - idéias permanecem (6)
Ç raquelê do passado // sem mitos // - a neve nunca é fullgas (7)


Visualizado por 7

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
26 de agosto
(1353) TRÍVIOLETRA (TC): MORMAÇO
M ar na maré podre // TEM MORRINHA // de besnico pudibundo (1)
O fluxo e o refluxo do mar // guri - face corada // maré fétida (3)
R onca onde // bate na rocha e salpica // Vovó rabugenta... (4)
M enino ao sol // lasso da folia // parvo, sorri pra cachorro (2)
A malemolência // a rede // cessar o cheiro - só perfume (5)
Ç a va, à la mer; la grandmère // va caçar sapo // pour peigner leur cheveux (7)
O nda de mel // doce prancha // vai e vem e fica o odor.(6)
Marco Bastos 1, 7
Aurea Stela Issa Potumati 2
Celinha Viol 3
João P. C. Furtado 4, 6
Dirce Carneiro 5
TRÍVIOLETRA (TS): MORMAÇO
M ar na maré podre // TEM MORRINHA // de besnico pudibundo (1)
M enino ao sol // lasso da folia // parvo, sorri pra cachorro (2)
O fluxo e o refluxo do mar // guri - face corada // maré fétida (3)
R onca onde // bate na rocha e salpica // Vovó rabugenta... (4)
A malemolência // a rede // cessar o cheiro - só perfume (5)
O nda de mel // doce prancha // vai e vem e fica o odor.(6)
Ç a va, à la mer; la grandmère // va caçar sapo // pour peigner leur cheveux (7)


Visualizado por 6

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
25 de agosto
(1352) TRÍVIOLETRA TC : FESTA.
F ita, laço, batom // olhar de Capitu // só quer dançar (2)
E spicha o olhar // faceira, nos requififes // provoca renzilha (4)
S em reza, e com reza // tem cochicho em festa // - de coquete coqueluche(3)
T oda de chita // COQUETE // pouca prece, com seu chapéu de quermesse (1)
A nca que mexe // pés que deslizam // rostos colados (5)
Celinha Viol 1
Dirce Carneiro 2
Marco Bastos 3
Aurea Stela Issa Potumati 4
Marcia Portella 5
TRÍVIOLETRA TS : FESTA.
T oda de chita // COQUETE // pouca prece, com seu chapéu de quermesse (1)
F ita, laço, batom // olhar de Capitu // só quer dançar (2)
S em reza, e com reza // tem cochicho em festa // - de coquete coqueluche(3)
E spicha o olhar // faceira, nos requififes // provoca renzilha (4)
A nca que mexe // pés que deslizam // rostos colados (5)


Visualizado por 6

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
25 de agosto
(1351) TRÍVIOLETRA (TC): NIVELA
N a calçada // malas, sacolas // pela estrada, forde-de-bigode (6)
I gnição uma beleza // pifou o platinado // - não pega no tranco (5)
V elho pé de bode // no corso se iguala // rotação desenguiça (4)
Eh! cuidado, pressão sonora // não morde, mas pega // - chave reserva (3)
L isa, plana // papo reto // na ladeira deixa o santo (2)
A manivela // DÁ PARTIDA NO FORDECO // - nheco, nheco, nheco (1)
Marco Bastos 1, 5
Dirce Carneiro 2
Celinha Viol 3
Aurea Stela Issa Potumati 4, 6
TRÍVIOLETRA (TS): NIVELA
A manivela // DÁ PARTIDA NO FORDECO // - nheco, nheco, nheco (1)
L isa, plana // papo reto // na ladeira deixa o santo (2)
Eh! cuidado, pressão sonora // não morde, mas pega // - chave reserva (3)
V elho pé de bode // no corso se iguala // rotação desenguiça (4)
I gnição uma beleza // pifou o platinado // - não pega no tranco (5)
N a calçada // malas, sacolas // pela estrada, forde-de-bigode (6)


Visualizado por 6

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
24 de agosto
(1350) TRÍVIOLETRA TC : CHUVA.
C heiro dos deuses // maravilha do céu // o mundo em comunhão (4)
H oje, dia abençoado // Hosana! // cheiro de chuva no ar (5)
U nção divina, renovo // tudo de novo // frutificando vidas (2)
V em mansa, benfazeja // PETRICHOR // cheirosa terra molhada (1)
A chuva caindo // aqui conto os pingos... // oba, aumentou! (3)
Celinha Viol 1
Lourdes Ramos 2
Maria Lima 3
Dirce Carneiro 4
Aurea Stela Issa Potumati 5
TRÍVIOLETRA TS : CHUVA.
V em mansa, benfazeja // PETRICHOR // cheirosa terra molhada (1)
U nção divina, renovo // tudo de novo // frutificando vidas (2)
A chuva caindo // aqui conto os pingos... // oba, aumentou! (3)
C heiro dos deuses // maravilha do céu // o mundo em comunhão (4)
H oje, dia abençoado // Hosana! // cheiro de chuva no ar (5)


Visualizado por 7

4
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
24 de agosto
(1349) TRÍVIOLETRA (TC): DENTE.
D a janela // A BOCA, A TOCA // - a broca (1)
E dói a mordida // o vento na cara // e o sonho no sono (4)
N egaceia, abre e fecha // zunido - suor // quero minha mãe! (3)
T ente não ouvir // o motor que ronca // roendo o dente (2)
E a linha puxa o toco // em troca a moeda // presente da fada (5)
Marco Bastos 1
Hércio Afonso 2
Aurea Stela Issa Potumati 3
Celinha Viol 4
Maria Inez Alves 5
TRÍVIOLETRA (TS): DENTE.
D a janela // A BOCA, A TOCA // - a broca (1)
T ente não ouvir // o motor que ronca // roendo o dente (2)
N egaceia, abre e fecha // zunido - suor // quero minha mãe! (3)
E dói a mordida // o vento na cara // e o sonho no sono (4)
E a linha puxa o toco // em troca a moeda // presente da fada (5)


Visualizado por 8

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
24 de agosto
(1348) TRÍVIOLETRA (TC) : NA MOITA.
N ão canto // NA BOCA DE BURACO // a coruja é gavião (1)
A nda na noite // fica de tocaia // mata a fome (3)
M istura a cor // confunde os olhos // é um cama_leão.(2)
O rio que tem traíra // lambari // mora na moita (4)
I nacessível, a toca // oculta na brenha // serpentes não entram! (6)
T odos na moita // jibóia, jacaré, homem // sartei de banda, sô! (5)
A gua tinta // polvo acoita // perigo invertido (7)
Marco Bastos 1
João P. C. Furtado 2, 7
Marcia Portella 3
Celinha Viol 4
Maria Lima 5
Aurea Stela Issa Potumati 6
TRÍVIOLETRA (TS) : NA MOITA.
N ão canto // NA BOCA DE BURACO // a coruja é gavião (1)
M istura a cor // confunde os olhos // é um cama_leão.(2)
A nda na noite // fica de tocaia // mata a fome (3)
O rio que tem traíra // lambari // mora na moita (4)
T odos na moita // jibóia, jacaré, homem // sartei de banda, sô! (5)
I nacessível, a toca // oculta na brenha // serpentes não entram! (6)
A gua tinta // polvo acoita // perigo invertido (7)


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
23 de agosto
(1347) TRÍVIOLETRA (TC): AROMAS.
A palhada // O MELAÇO E A CACHAÇA // - tacho onde a lua se incendeia (1)
R osas lindas, perfumosas // tão espinhosas // vide vida (4)
Odor paraíso // perfume Mãe Terra // inala a paz...(5)
M armelos e goiabas // apanhados do pé // viram delícias (2)
A o redor do fogo // conversa fiada // e o cheiro de quero mais (3)
S orvo a garapa // degluto a rapadura // tão doce, tão dura! (6)
Marco Bastos 1
Maria Inez Alves 2
Celinha Viol 3
Lourdes Ramos 4
João P. C. Furtado 5
Maria Lima 6
TRÍVIOLETRA (TS): AROMAS.
A palhada // O MELAÇO E A CACHAÇA // - tacho onde a lua se incendeia (1)
M armelos e goiabas // apanhados do pé // viram delícias (2)
A o redor do fogo // conversa fiada // e o cheiro de quero mais (3)
R osas lindas, perfumosas // tão espinhosas // vide vida (4)
Odor paraíso // perfume Mãe Terra // inala a paz...(5)
S orvo a garapa // degluto a rapadura // tão doce, tão dura! (6)


Visualizado por 6

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
23 de agosto
(1346) TRÍVIOLETRA (TC): SENZALA
Sem sala nem banheiro // cama no chão // panela vazia.(4)
E ngana, mesmo cativa // mulher que afronta // no cio, se perde (2)
N o entusiasmo do cio // tímida escrava // Senhor e sua dama (6)
Z oada no terreiro // códigos de santos // sinhá não vê (3)
A mucama na cama // A DAMA NO ESTRO // - canhestro berço mulato (1)
L undu, mistura // Angola-Portugal // batuque e bandolim (5)
A casa grande e senzala // demônios soltos // cheiro do melaço (7)
Marco Bastos 1, 7
Aurea Stela Issa Potumati 2
Dirce Carneiro 3
João P. C. Furtado 4
Maria Lima 5
Celinha Viol 6
TRÍVIOLETRA (TS): SENZALA
A mucama na cama // A DAMA NO ESTRO // - canhestro berço mulato (1)
E ngana, mesmo cativa // mulher que afronta // no cio, se perde (2)
Z oada no terreiro // códigos de santos // sinhá não vê (3)
S em sala nem banheiro // cama no chão // panela vazia.(4)
L undu, mistura // Angola-Portugal // batuque e bandolim (5)
N o entusiasmo do cio // tímida escrava // Senhor e sua dama (6)
A casa grande e senzala // demônios soltos // cheiro do melaço (7)


Visualizado por 7

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Lima
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
23 de agosto
(1345) TRÍVIOLETRA (TC): DESTÁ_Q
D oido faniquito // que cena! // o piti da mal - amada (5)
E scuro no opaco // triste destaque // que escolher? (4)
S abe lá // cessa o vento das palavras // - as taboas bem pregadas (6)
T riste chilique // CHIQUE BATE-BOCA AMARELO // - o prego e o martelo (1)
Á nimada altercação // realça solecismo // olha a revanche! (2)
_
Q ue réplica ou tréplica // pede trégua // no aparte (3)
Marco Bastos 1, 6
Aurea Stela Issa Potumati 2
Dirce Carneiro 3
João P. C. Furtado 4
Celinha Viol 5
TRÍVIOLETRA (TS): DESTÁ_Q
T riste chilique // CHIQUE BATE-BOCA AMARELO // - o prego e o martelo (1)
Á nimada altercação // realça solecismo // olha a revanche! (2)
Q ue réplica ou tréplica // pede trégua // no aparte (3)
Escuro no opaco // triste destaque // que escolher? (4)
D oido faniquito // que cena! // o piti da mal - amada (5)
S abe lá // cessa o vento das palavras // - as taboas bem pregadas (6)


Visualizado por 7

2
Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
22 de agosto
(1344) TRÍVIOLETRA (TC): PAUSADO
P assadiço não passa disso // ELA EM SOL SE SOLTA // e em si solfeja (1)
A rrastado no compasso // notas calam // no descompasso (3)
U ma nota abaixo // barítono // quando cala o tenor (7)
S ilêncios fazem melodia // pausas, a vida // só consertos (2)
A llegro ma non troppo // solta, canta e encanta // na pausa, autógrafos (6)
D evagarinho // no passo a passo // o repouso ritmado (5)
O sol maior ou menor // tons, passos de jazz // em ritmo e harmonia (4)
Marco Bastos 1
Maria Inez Alves 2
Marcia Portella 3
Maria Lima 4
Celinha Viol 5
Aurea Stela Issa Potumati 6
Dirce Carneiro 7
TRÍVIOLETRA (TS): PAUSADO
P assadiço não passa disso // ELA EM SOL SE SOLTA // e em si solfeja (1)
S ilêncios fazem melodia // pausas, a vida // só consertos (2)
A rrastado no compasso // notas calam // no descompasso (3)
O sol maior ou menor // tons, passos de jazz // em ritmo e harmonia (4)
D evagarinho // no passo a passo // o repouso ritmado (5)
A llegro ma non troppo // solta, canta e encanta // na pausa, autógrafos (6)
U ma nota abaixo // barítono // quando cala o tenor (7)


Visualizado por 6

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
21 de agosto
(1343) TRÍVIOLETRA TC : BONANZA.
B itola estreita // TRILHA - ESTAÇÕES // sementes, floradas - doce lar (1)
O ntem tempestade // hoje calmaria // o que será de amanha? (5)
N a plataforma, em azuis aromáticos // maçãs // fruto
argentino (2)
A ntes da curva, um apito // é sorte que vem // comboio feliz (6)
N as mãos o aceno // cruéis paralelas gritam // é hora (3)
Z oante monotonia // barulho do trem // caminho de casa (4)
A njos e Sereias // canto do céu // Paz eterna.(7)
Celinha Viol 1
Maria Inez Alves 2
Rosemary S. Mizrahi 3
Aurea Stela Issa Potumati 4
.João P. C. Furtado 5, 7
Dirce Carneiro 6
TRÍVIOLETRA TS : BONANZA.
B itola estreita // TRILHA - ESTAÇÕES // sementes, floradas - doce lar (1)
N a plataforma, em azuis aromáticos // maçãs // fruto
argentino (2)
N as mãos o aceno // cruéis paralelas gritam // é hora (3)
Z oante monotonia // barulho do trem // caminho de casa (4)
O ntem tempestade // hoje calmaria // o que será de amanha? (5)
A ntes da curva, um apito // é sorte que vem // comboio feliz (6)
A njos e Sereias // canto do céu // Paz eterna.(7)


Visualizado por 6

5
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 3 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
19 de agosto
(1342) TRIVIOLETRA TC: INVERNO
I nverno gélido // lareira aquece // lufada - gelo na calçada (6)
N oite gelada // desassossego // andarilhos - fogueira na estrada (2)
V inho, cobertor // CAMADAS // em algum lugar, desabrigo (1)
E stala o fogo // conversa na sala // lá fora, vento, granizo (5)
R io gelado // sem cobertor de lã // e eu no divã (7)
N eblina que cega // espargidas ao vento // filigranas de gelo (3)
O frio do inverno, um perigo // cachecol // na navalha do vento (4)
Dirce Carneiro, 1
Celinha Viol, 2, 6
Aurea Stela Issa Potumati, 3, 5
Marco Bastos, 4
Lourdes Ramos, 7
TRIVIOLETRA TS: INVERNO
V inho, cobertor // CAMADAS // em algum lugar, desabrigo (1)
N oite gelada // desassossego // andarilhos - fogueira na estrada (2)
N eblina que cega // espargidas ao vento // filigranas de gelo (3)
O frio do inverno, um perigo // cachecol // na navalha do vento (4)
E stala o fogo // conversa na sala // lá fora, vento, granizo (5)
I nverno gélido // lareira aquece // lufada - gelo na calçada (6)
R io gelado // sem cobertor de lã // e eu no divã (7)


Visualizado por 6

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
18 de agosto
(1341) TRÍVIOLETRA TC: TRAPAÇA
T rollando a vida // enganando o mundo // um poço sem fundo (2)
R oubando a cena // promessas vãs // ouro de tolo (6)
A trama, tramoia // FANFARRAS, CONFETES // - o bilhete premiado (1)
P agar gato por lebre? // o mundo ao avesso // charlatão no poder.(3)
A rruma problema // dolo do sacripanta // jornais batem bumbo 5)
Ç onto do vigário // fogo fátuo // sonhos de plebeu (4)
A malha canalha // ronco no brejo // taboas entre mentiras (7)
Celinha Viol 1
Lourdes Ramos 2
João P. C. Furtado 3
Rosemary S. Mizrahi 4
Aurea Stela Issa Potumati 5
Maria Inez Alves 6
Marco Bastos 7
TRÍVIOLETRA TC: TRAPAÇA
A trama, tramoia // FANFARRAS, CONFETES // - o bilhete premiado (1)
T rollando a vida // enganando o mundo // um poço sem fundo (2)
P agar gato por lebre? // o mundo ao avesso // charlatão no poder.(3)
Ç onto do vigário // fogo fátuo // sonhos de plebeu (4)
A rruma problema // dolo do sacripanta // jornais batem bumbo 5)
R oubando a cena // promessas vãs // ouro de tolo (6)
A malha canalha // ronco no brejo // taboas entre mentiras (7)


Visualizado por 3


4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentar
Comentários


Escreva um comentário...









Celinha Viol
18 de agosto
(1340) TRÍVIOLETRA (TC): VIAGENS
V isualizar veredas // voar arredores // quebrar tabus (2)
I rei de chinelos // nas malas sonhos // des_feitos com o tempo.(3)
A s viagens não fiz // ARQUEI OS ARCO-IRIS // - pra ver os horizontes (1)
G anhei o céu // dentro do meu biombo // inventei estrelas.(6)
E sfera azul // onde todos viajam // para onde vão? (5)
"N avegar é preciso" // viver sem amarras // no ontem ou amanhã (7)
S empre pelos caminhos // procura do pote // o Amor na lembrança (4)
Marco Bastos 1
Lourdes Ramos 2
João P. C. Furtado 3
Aurea Stela Issa Potumati 4
Maria Lima 5
Rosemary S. Mizrahi 6
Maria Inez Alves 7
TRÍVIOLETRA (TS): VIAGENS
A s viagens não fiz // ARQUEI OS ARCO-IRIS // - pra ver os horizontes (1)
V isualizar veredas // voar arredores // quebrar tabus (2)
I rei de chinelos // nas malas sonhos // des_feitos com o tempo.(3)
S empre pelos caminhos // procura do pote // o Amor na lembrança (4)
E sfera azul // onde todos viajam // para onde vão? (5)
G anhei o céu // dentro do meu biombo // inventei estrelas. (6)
"N avegar é preciso" // viver sem amarras // no ontem ou amanhã (7)


Visualizado por 4

5
Celinha Viol, Rosemary S. Mizrahi e outras 3 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
15 de agosto
(1339) TRÍVIOLETRA (TC): ALI_CIO
A ntes bovina // seduzida patuléia // emerge, vocifera (3)
L oucas locas brocam // MESMO TATUS, SEJAM ONÇAS // - aos vermes o voto.(1)
I ronia! // Era pra ser democracia // - só vieram abutres (5)
_
Contra a mente_ irada... // nem onças, leões // - jaula cheia de tatus (2)
I nsiste // mete a fuça na TV // grita, corre, o tempo é curto (6)
O s profetas de tudo // cavam e rugem // o mais do mesmo (4)
Marco Bastos 1, 5
João P. C. Furtado 2
Aurea Stela Issa Potumati 3
Dirce Carneiro 4, 6
TRÍVIOLETRA (TS): ALI_CIO
L oucas locas brocam // MESMO TATUS, SEJAM ONÇAS // - aos vermes o voto.(1)
Contra a mente_ irada... // nem onças, leões // - jaula cheia de tatus (2)
A ntes bovina // seduzida patuléia // emerge, vocifera (3)
O s profetas de tudo // cavam e rugem // o mais do mesmo (4)
I ronia! // Era pra ser democracia // - só vieram abutres (5)
I nsiste // mete a fuça na TV // grita, corre, o tempo é curto (6)


Visualizado por 7

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
15 de agosto
(1338) TRÍVIOLETRA (TC): MORDIDA
M ordiscar de leve // pele arrepia // é amor (4)
O ra pra lá e pra cá // capricho no risco // passeio da língua (3)
R asgo na pele // tatua o corpo // volúpia que sangra (6)
D oçura // na frase com açucar // charme no ar (2)
I nstiga a inspiração // atiça o sabor // do paladar ao verso (7)
D ente manhoso // afaga e sangra // Vil ser humano. (5)
A rma letal // "CAMOMILA" NO LÁPIS // - mordendo a ponta da língua (1)
Marco Bastos 1, 3
Celinha Viol 2
Marcia Portella 4
João P. C. Furtado 5
Aurea Stela Issa Potumati 6
Dirce Carneiro 7
TRÍVIOLETRA (TS): MORDIDA
A rma letal // "CAMOMILA" NO LÁPIS // - mordendo a ponta da língua (1)
D oçura // na frase com açucar // charme no ar (2)
O ra pra lá e pra cá // capricho no risco // passeio da língua (3)
M ordiscar de leve // pele arrepia // é amor (4)
D ente manhoso // afaga e sangra // Vil ser humano. (5)
R asgo na pele // tatua o corpo // volúpia que sangra (6)
I nstiga a inspiração // atiça o sabor // do paladar ao verso (7)


Visualizado por 2


3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Lucia Davila
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
11 de agosto
(1337) TRIVIOLETRA TC/TS: PAI
P assou o tempo // RETRATO // só saudade (1)
A mor eterno // saudade doída // doce olhar (2)
I r e vir da alegria // amor pelos filhos // que se multiplica (3)
Dirce Carneiro, 1
Marcia Portella, 2
Celinha Viol, 3


Visualizado por 6

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Dirce Carneiro
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
11 de agosto
(1336) TRÍVIOLETRA (TC): AZEDO
A gua na boca, trava queixo // TAMARINDO // - o refresco, delícia (1)
Zanga a língua // expande o gosto // vive na infância (3)
E scorrem lágrimas // acres, num gozo sofrido // artimanha da fruta (2)
D ói as mãos apertadas // caretas // - doce sabor no copo (5)
O sumo aperta // na fruta // sem mel (4)
Marco Bastos 1
Aurea Stela Issa Potumati 2
Rosemary S. Mizrahi 3
Marcia Portella 4
Celinha Viol 5
TRÍVIOLETRA (TS): AZEDO
A gua na boca, trava queixo // TAMARINDO // - o refresco, delícia (1)
E scorrem lágrimas // acres, num gozo sofrido // artimanha da fruta (2)
Zanga a língua // expande o gosto // vive na infância (3)
O sumo aperta // na fruta // sem mel (4)
D ói as mãos apertadas // caretas // - doce sabor no copo (5)


Visualizado por 6

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Dirce Carneiro
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
11 de agosto
(1335) TRÍVIOLETRA (TC): MORCEGO
M orcego invisível // boêmio da noite // revoa - a asa na mão (6)
O s castelos do mundo // AMOR CEGO // - muito sangue nos dentes (1)
R epasto de amor // na cantiga gota a gota // suga o fim. (3)
C averna escura // sua morada // aí, lambe os beiços (4)
E ngata o radar // mórbido voador // suga a presa (5)
G rito na noite // sem lua e estrelas // escuridão dos segredos. (7)
O abraço entre asas // presa fácil // vamp na noite caça (2)
Marco Bastos 1
Marcia Portella 2
João P. C. Furtado 3, 7
Dirce Carneiro 4
Rosemary S. Mizrahi 5
Celinha Viol 6
TRÍVIOLETRA (TS) MORCEGO
O s castelos do mundo // AMOR CEGO // - muito sangue nos dentes (1)
O abraço entre asas // presa fácil // vamp na noite caça (2)
R epasto de amor // na cantiga gota a gota // suga o fim. (3)
C averna escura // sua morada // aí, lambe os beiços (4)
E ngata o radar // mórbido voador // suga a presa (5)
M orcego invisível // boêmio da noite // revoa - a asa na mão (6)
G rito na noite // sem lua e estrelas // escuridão dos segredos. (7)


Visualizado por 7

5
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
11 de agosto
(1334) TRÍVIOLETRA (TC): GLAMOUR
Gesto romântico // perfume francês // canto das sereias... (5)
L oved fusquinha // quatro elefantinhas // uma na frente, três atrás (7)
A gora sim! // BARATINHA ELEGANTE // pra passear com Juju (1)
Marilyn Monroe // puro glamour // há muito brilha no céu (3)
O lhar lânguido // aroma Chanel // anos dourados (2)
U bíquo sedutor // afã da conquista // carro esporte voa (6)
R eluz, que glamour! // luvas e chapéus // fetiche nas ruas (4)
Marco Bastos 1, 7
Marcia Portella 2
Maria Lima 3
Celinha Viol 4
João P. C. Furtado 5
Aurea Stela Issa Potumati 6
TRÍVIOLETRA (TS): GLAMOUR
A gora sim! // BARATINHA ELEGANTE // pra passear com Juju (1)
O lhar lânguido // aroma Chanel // anos dourados (2)
M arilyn Monroe // puro glamour // há muito brilha no céu (3)
R eluz, que glamour! // luvas e chapéus // fetiche nas ruas (4)
G esto romântico // perfume francês // canto das sereias... (5)
U bíquo sedutor // afã da conquista // carro esporte voa (6)
L oved fusquinha // quatro elefantinhas // uma na frente, três atrás (7)
GLAMOUR (Poema despido)
:
Agora sim!, BARATINHA ELEGANTE, pra passear com Juju
Olhar lânguido, aroma Chanel, anos dourados
Marilyn Monroe, puro glamour, há muito brilha no céu
Reluz, que glamour! - luvas e chapéus, fetiche nas ruas
Gesto romântico, perfume francês, canto das sereias...
Ubíquo sedutor, afã da conquista,- carro esporte voa.
Loved fusquinha, quatro elefantinhas, uma na frente, três atrás
.
Marco Bastos 1, 7
Marcia Portella 2
Maria Lima 3
Celinha Viol 4
João P. C. Furtado 5
Aurea Stela Issa Potumati 6


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
11 de agosto
(1333) TRÍVIOLETRA (TC): ESTILO.
E ntre rendas emergem // no roçagar da pele // rosados botões (5)
S ensual // bocas e bicos // bumbum empinado (2)
T ento na busca // bum bum de silicone // risco no rabisco. (4)
I mantado // atrai olhares // na mente, imagens desfilam (6)
L onge de ser qualquer coisa // RÓSEO MAMILO // a rosa e o pistilo (1)
O peito nu // à flor da pele // entre pistilos e pétalas (3)
Marco Bastos 1
Marcia Portella 2
Celinha Viol 3
João P. C. Furtado 4
Aurea Stela Issa Potumati 5
Dirce Carneiro 6
TRÍVIOLETRA (TS): ESTILO.
L onge de ser qualquer coisa // RÓSEO MAMILO // a rosa e o pistilo (1)
S ensual // bocas e bicos // bumbum empinado (2)
O peito nu // à flor da pele // entre pistilos e pétalas (3)
T ento na busca // bum bum de silicone // risco no rabisco. (4)
E ntre rendas emergem // no roçagar da pele // rosados botões (5)
I mantado // atrai olhares // na mente, imagens desfilam (6)


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
10 de agosto
(1332) TRÍVIOLETRA (TC): TRANCA
T ranca e destranca // SORRISOS LARGOS, HORIZONTES // castelo e pestilos (1)
R oda a chave // desfigurado segredo // livre a lua (2)
A porta aberta // sem noção da hora // só a luz dos astros (3)
N udez velada // sonhos ingênuos // pudica virgem (5)
C adeado sem chaves // coração cativo // rir na solidão. (6)
“A noite estrelada” // bela obra de Van Gogh // destrava o olhar (4)
Marco Bastos 1
Rosemary S. Mizrahi 2
Celinha Viol 3
Maria Lima 4
Maria Inez Alves 5
João P. C. Furtado 6
TRÍVIOLETRA (TS): TRANCA
T ranca e destranca // SORRISOS LARGOS, HORIZONTES // castelo e pestilos (1)
R oda a chave // desfigurado segredo // livre a lua (2)
A porta aberta // sem noção da hora // só a luz dos astros (3)
“A noite estrelada” // bela obra de Van Gogh // destrava o olhar (4)
N udez velada // sonhos ingênuos // pudica virgem (5)
Cadeado sem chaves // coração cativo // rir na solidão. (6)


Visualizado por 7

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Lima
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
7 de agosto
(1331) TRÍVIOLETRA (TC) : CEGONHA
C rê na Mea Culpa // de_mente // - que mente: - sofrer é necessário (6)
E segue o tabu // no claro cora // cegonha no ar (7)
G esto enganoso // levar no bico // o que na barriga formou (4)
O natural , puro // CEGA VERGONHA // - no bico da ave, um falso anjo (1)
N as asas do vento // voa entre estrelas // duas caras - falsa alegria (3)
H avia quem pensasse // que no bico bicudo // voavam vidas (2)
A vida voa // lendas e mentiras // papai-mamãe (5)
Marco Bastos 1, 6
Lourdes Ramos 2
Celinha Viol 3
João P. C. Furtado 4
Dirce Carneiro 5, 7
TRÍVIOLETRA (TS) : CEGONHA
O natural , puro // CEGA VERGONHA // - no bico da ave, um falso anjo (1)
H avia quem pensasse // que no bico bicudo // voavam vidas (2)
N as asas do vento // voa entre estrelas // duas caras - falsa alegria (3)
G esto enganoso // levar no bico // o que na barriga formou (4)
A vida voa // lendas e mentiras // papai-mamãe (5)
C rê na Mea Culpa // de_mente // - que mente: - sofrer é necessário (6)
E segue o tabu // no claro cora // cegonha no ar (7)


Visualizado por 8

4
Celinha Viol, Rosemary S. Mizrahi e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
6 de agosto
(1330) TRÍVIOLETRA (TC): LIÇÕES
L uzes, // NÃO APRENDEMOS // por falta ou por excesso de informações (1)
I luminar // na escola, na vida, no divã // cumprir o carma (4)
Ç erto é... Escola // do mundo e da vida // exemplos a fonte. (5)
Õ s limites // criar e inventar // viver no fluxo do saber (6)
É fazendo que se aprende // faça o que puder // comece onde está (2)
S ob holofotes // escolando vidas // lecionando coisas (3)
Marco Bastos 1, 6
Celinha Viol 2
Lourdes Ramos 3
Dirce Carneiro 4
João P. C. Furtado 5
TRÍVIOLETRA (TS): LIÇÕES
L uzes, // NÃO APRENDEMOS // por falta ou por excesso de informações (1)
É fazendo que se aprende // faça o que puder // comece onde está (2)
S ob holofotes // escolando vidas // lecionando coisas (3)
I luminar // na escola, na vida, no divã // cumprir o carma (4)
Ç erto é... Escola // do mundo e da vida // exemplos a fonte. (5)
Õ s limites // criar e inventar // viver no fluxo do saber (6)


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
4 de agosto
(1329) TRVÍOLETRA (TC) : FUSCA
F aísca azula a estrada // BESOURO O_FUSCA // amor - paixão sem pecado (1)
U m ônibus passou // o besouro no vento // um carro, um Fusca (4)
S ua forma tatu // voa baixo // acende faróis de milha (2)
C aronas aceitas // carro lotado // festas de arromba (3)
A curva perfeita // lombadas // solavancos, preto no branco (5)
Celinha Viol 1, 5
Dirce Carneiro 2,
Maria Inez Alves 3
Marco Bastos 4
TRÍVIOLETRA (TS) : FUSCA
F aísca azula a estrada // BESOURO O_FUSCA // amor - paixão sem pecado (1)
S ua forma tatu // voa baixo // acende faróis de milha (2)
C aronas aceitas // carro lotado // festas de arromba (3)
U m ônibus passou // o besouro no vento // um carro, um Fusca (4)
A curva perfeita // lombadas // solavancos, preto no branco (5)
Formatado por Marco. Autor da Proposta: Celinha Viol


Visualizado por 7

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Dirce Carneiro
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
3 de agosto
(1328) TRÍVIOLETRA (TC): AGULHA
A alma no espeto // NAS LINHAS DA VIDA // - rumo, o mistério e o segredo (1)
G arras longínquas // seguem o esboço // busca o inteiro (3)
U rdideira pagã // perdida no fio // esquece o destino (2)
L ivre no risco // caminho sem fim // cores - sonho sonhado (5)
H á um quê de encanto // unir os pontos // formatar o pano (6)
A fiada entra // tece o roto // borda a seda (4)
Marco Bastos 1
Rosemary S. Mizrahi 2
Maria Inez Alves 3
Marcia Portella 4
Celinha Viol 5
Dirce Carneiro 6
TRÍVIOLETRA (TS): AGULHA
A alma no espeto // NAS LINHAS DA VIDA // - rumo, o mistério e o segredo (1)
U rdideira pagã // perdida no fio // esquece o destino (2)
G arras longínquas // seguem o esboço // busca o inteiro (3)
A fiada entra // tece o roto // borda a seda (4)
L ivre no risco // caminho sem fim // cores - sonho sonhado (5)
H á um quê de encanto // unir os pontos // formatar o pano (6)
AGULHA (poema despido)
A alma no espeto NAS LINHAS DA VIDA - rumo, o mistério e o segredo
Urdideira pagã perdida no fio, esquece o destino
Garras longínquas seguem o esboço, busca o inteiro
A_fiada entra, tece o roto, borda a seda
Livre no risco, caminho sem fim, cores - sonho sonhado
Há um quê de encanto, unir os pontos, formatar o pano.
Marco Bastos 1
Rosemary S. Mizrahi 2
Maria Inez Alves 3
Marcia Portella 4
Celinha Viol 5
Dirce Carneiro 6


Visualizado por 7

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Dirce Carneiro
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
3 de agosto
(1327) TRÍVIOLETRA TC : SÍTIO
S ilêncio e meditação // frutas no pé // novenas e cantorias (2)
Í nterior calmo // sol entre árvores // som do vento (4)
T erra, pé no chão // LUZ NA PELE // água doce, vida e viola (1)
I ntimo contato céu e chão // ir além // naturezar (5)
O ntem sol // gramas e flores // cocadinha branca, lembranças doces! (3)
Celinha Viol 1
Maria Inez Alves 2
Vania de Castro 3
Marcia Portella 4
Lourdes Ramos 5
TRÍVIOLETRA TS : SÍTIO
T erra, pé no chão // LUZ NA PELE // água doce, vida e viola (1)
S ilêncio e meditação // frutas no pé // novenas e cantorias (2)
O ntem sol // gramas e flores // cocadinha branca, lembranças doces! (3)
Í nterior calmo // sol entre árvores // som do vento (4)
I ntimo contato céu e chão // ir além // naturezar (5)


Visualizado por 6

5
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
2 de agosto
(1326) TRÍVIOLETRA TC : BOM DIA
B rilho nos olhos // cheiro de pão // malhação (3)
O Sol, colo da vida // não quero ter_sol, // terçol, nem torcicolo.(5)
M eninos fardados // caminho da escola // algazarra sadia (4)
D ia de sol // A_COR_DA AURORA // passos - gira o girassol (1)
Irís do sol // chuva, trovão, frio // coração: sol e girassol 6
A janela se abre // a vida renasce // bênçãos cor de ouro (2)
Celinha Viol 1
Dirce Carneiro 2
Marcia Portella 3
Maria Inez Alves 4
Marco Bastos 5
Vania de Castro 6
TRÍVIOLETRA TS : BOM DIA
D ia de sol // A_COR_DA AURORA // passos - gira o girassol (1)
A janela se abre // a vida renasce // bênçãos cor de ouro (2)
B rilho nos olhos // cheiro de pão // malhação (3)
M eninos fardados // caminho da escola // algazarra sadia (4)
O Sol, colo da vida // não quero ter_sol, // terçol, nem torcicolo.(5)
Irís do sol // chuva, trovão, frio // coração: sol e girassol 6


Visualizado por 7

5
Celinha Viol, Rosemary S. Mizrahi e outras 3 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
29 de julho
(1325) TRÍVIOLETRA (TC): NÓ CEGO
N o nó nego // o nó que prende // na garganta o verso (5)
Ó livro - mudo que fala // morto que vive // sonhos - dor do poeta (3)
Canta o poema // chora a verdade // e o mundo segue contra a vontade (2)
E maranhado o fio fica // avesso bordado // nos cega (4)
Geme quando aperta // é cego que vê // desata sem ninguém ver (6)
O mundo pega fogo // NÓS NA POESIA // - Nero e a lira (1)
Marco Bastos 1
Maria Inez Alves 2
Celinha Viol 3
Lourdes Ramos 4
Hércio Afonso 5
Marcia Portella 6
TRÍVIOLETRA (TS): NÓ CEGO
O mundo pega fogo // NÓS NA POESIA // - Nero e a lira (1)
Canta o poema // chora a verdade // e o mundo segue contra a vontade (2)
Ó livro - mudo que fala // morto que vive // sonhos - dor do poeta (3)
E maranhado o fio fica // avesso bordado // nos cega (4)
N o nó nego // o nó que prende // na garganta o verso (5)
Geme quando aperta // é cego que vê // desata sem ninguém ver (6)


Visualizado por 8

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
29 de julho
(1324) TRÍVIOLETRA TC : CANDURA
C ãs falam do tempo // cadência, finitude // sentir sem fim (2)
A inda se pode ver // sorrisos guardados // no etéreo eclipse (3)
N ada dura - fenece em lentos passos // toda candura // - qualquer prece (4)
D oce - velado olhar // NO ASSOALHO, ARRASTA OS PÉS // - banco no alpendre (1)
U ma nova história // Déjà Vu – gira a roda // branca lua (7)
R ecordação eterna // aquele sorriso // que saudade! (5)
A lba eras // frágil és // histórias incongruentes (6)
Celinha Viol 1
Dirce Carneiro 2
Lourdes Ramos 3
Marco Bastos 4
João P. C. Furtado 5
Maria Inez Alves 6
Maria Lima 7
TRÍVIOLETRA TS : CANDURA
D oce - velado olhar // NO ASSOALHO, ARRASTA OS PÉS // - banco no alpendre (1)
C ãs falam do tempo // cadência, finitude // sentir sem fim (2)
A inda se pode ver // sorrisos guardados // no etéreo eclipse (3)
N ada dura - fenece em lentos passos // toda candura // - qualquer prece (4)
R ecordação eterna // aquele sorriso // que saudade! (5)
A lba eras // frágil és // histórias incongruentes (6)
U ma nova história // Déjà Vu – gira a roda // branca lua (7)


Visualizado por 9

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
28 de julho
(1323) TRÍVIOLETRA (TC): DEBICO
D e bico em_bico // CRIAÇÃO // - costela de Adão, nariz de Pinóquio (1)
E vem a serpente // recria a história // boa de bico (3)
B ela criação // vão meter o bico // assombradado porão (2)
I nsanas pretensões // gozadores // - mentiras no trombone (4)
C om barro ou plástico // artesão faz boneco // soprar é arte.(6)
O h! bicada boa // criação se aperfeiçoa // - o Grilo Falante (5)
Marco Bastos 1, 4
Lourdes Ramos 2
Dirce Carneiro 3
Celinha Viol 5
João P. C. Furtado 6
TRÍVIOLETRA (TS): DEBICO
D e bico em_bico // CRIAÇÃO // - costela de Adão, nariz de Pinóquio (1)
B ela criação // vão meter o bico // assombradado porão (2)
E vem a serpente // recria a história // boa de bico (3)
I nsanas pretensões // gozadores // - mentiras no trombone (4)
O h! bicada boa // criação se aperfeiçoa // - o Grilo Falante (5)
C om barro ou plástico // artesão faz boneco // soprar é arte. (6)


Visualizado por 8

4
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
27 de julho
(1322) TRÍVIOLETRA (TC): O MICO
O respeito humano // pagar o mico // paz - seguir feliz (3)
M as no jogo // OMITO O MICO // - pra lua, o nariz do demagogo (1)
I deia de jerico // as vezes dá mico // viva o primata! (5)
C ara ou coroa // decide o fico // sem foco em nuances (2)
O luar sem lua // mico, mico // rio do mico - rio do mito (4)
Marco Bastos 1
Dirce Carneiro 2
Celinha Viol 3
Vania de Castro 4
Maria Lima 5
TRÍVIOLETRA (TS): O MICO
M as no jogo // OMITO O MICO // - pra lua, o nariz do demagogo (1)
C ara ou coroa // decide o fico // sem foco em nuances (2)
O respeito humano // pagar o mico // paz - seguir feliz (3)
O luar sem lua // mico, mico // rio do mico - rio do mito (4)
I deia de jerico // as vezes dá mico // viva o primata! (5)


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
27 de julho
(1321) TRÍVIOLETRA TC : VIDAS.
V icejam flores // céu de brigadeiro // ao telefone: mãe?(2)
I das e vindas // vida // hoje é o dia - calor dentro e fora.(4)
D ias de chuva virão // nuvens carregadas // frutos brotarão (5)
A h... ventos soprando emoções // por entre dias vividos // nascer...(3)
S ol, dia, folia // NUVENS BRANCAS // no varal - fronhas e lençol (1)
Celinha Viol 1
Dirce Carneiro 2
Lourdes Ramos 3
Vania de Castro 4
Maria Lima 5
TRÍVIOLETRA TS : VIDAS.
S ol, dia, folia // NUVENS BRANCAS // no varal - fronhas e lençol (1)
V icejam flores // céu de brigadeiro // ao telefone: mãe?(2)
A h... ventos soprando emoções // por entre dias vividos // nascer...(3)
I das e vindas // vida // hoje é o dia - calor dentro e fora.(4)
D ias de chuva virão // nuvens carregadas // frutos brotarão (5)


Visualizado por 6

4
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
26 de julho
(1320) TRÍVIOLETRA (TC): SOMBRAS
S ufocam o sol // barram a luz // andam à espreita (3)
O lho atrás // elas me seguem // dois em um (2)
M eio lusco fusco // negritude se esgueirando // pinta gato preto (6)
B om cachimbo, outro pito // só fumaça // fantasminha camarada (7)
R isos do ego // outros ocultos // habitam a mente (4)
A ssombro! este mundo anda esquisito // TODO DIA // - um novo pito (1)
S ilencia a alegria // trilhas sem luz // olhos se procuram (5)
Marco Bastos 1, 7
Marcia Portella 2
Maria Inez Alves 3
Dirce Carneiro 4
Celinha Viol 5
Lourdes Ramos 6
TRÍVIOLETRA (TS): SOMBRAS
A ssombro! este mundo anda esquisito // TODO DIA // - um novo pito (1)
O lho atrás // elas me seguem // dois em um (2)
S ufocam o sol // barram a luz // andam à espreita (3)
R isos do ego // outros ocultos // habitam a mente (4)
S ilencia a alegria // trilhas sem luz // olhos se procuram (5)
M eio lusco fusco // negritude se esgueirando // pinta gato preto (6)
B om cachimbo, outro pito // só fumaça // fantasminha camarada (7)


Visualizado por 5

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
26 de julho
(1319) TRÍVIOLETRA TC : SENTIDO
S eus olhos abertos // janelas verdes // meu amor, minha alegria (2)
E nquanto o tempo passa // em suas asas // sentindo-me andarilho (5)
N ada sinto // sento // sem sentido (4)
T odos os sentidos // mundo que percebo // incompleta percepção (3)
I nsensatez // não pertença // fora do ninho (6)
D ilúvio de sentimentos // pra lá, pra cá // todos os sentidos!(7)
O toque e a melodia // O OLHAR // o cheiro da flor - gosto de mel (1)
Celinha Viol 1
Maria Lima 2
Marco Bastos 3
Marcia Portella 4
Lourdes Ramos 5
Dirce Carneiro 6
Vania de Castro 7
TRÍVIOLETRA TS : SENTIDO
O toque e a melodia // O OLHAR // o cheiro da flor - gosto de mel (1)
S eus olhos abertos // janelas verdes // meu amor, minha alegria (2)
T odos os sentidos // mundo que percebo // incompleta percepção (3)
N ada sinto // sento // sem sentido (4)
E nquanto o tempo passa // em suas asas // sentindo-me andarilho (5)
I nsensatez // não pertença // fora do ninho (6)
D ilúvio de sentimentos // pra lá, pra cá // todos os sentidos!(7)


Visualizado por 4

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
25 de julho
(1318) TRÍVIOLETRA (TC) : OS FATOS
O nde há fumaça, fogo // dito popular // ratos no porão (3)
S urge num repente // vem de fatiota // é só lorota (5
F lama vexada // dorme o marulho // sem cor, tela vazia (2)
A gora sim, comi o pato // não entendi os fatos // ainda o gato mia (7)
T udo chato // NÃO HÁ EXTRAVAGÂNCIA // - gatos miando, como pato (1)
O simples fato // simples frase // monotonia (4)
S ó olhares vagos // busca de sentido // tela branca espera (6)
Marco Bastos 1, 7
Rosemary S. Mizrahi 2
Maria Lima 3
Celinha Viol 4
Marcia Portella 5
Dirce Carneiro 6
TRÍVIOLETRA (TS) : OS FATOS
T udo chato // NÃO HÁ EXTRAVAGÂNCIA // - gatos miando, como pato (1)
F lama vexada // dorme o marulho // sem cor, tela vazia (2)
O nde há fumaça, fogo // dito popular // ratos no porão (3)
O simples fato // simples frase // monotonia (4)
S urge num repente // vem de fatiota // é só lorota (5)
S ó olhares vagos // busca de sentido // tela branca espera (6)
A gora sim, comi o pato // não entendi os fatos // ainda o gato mia (7)


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
22 de julho
(1317) TRÍVIOLETRA (TC): JIBÓIA
J á chega! // cobras criadas sem autocrítica // povo sem juízo (3)
I ludidas serpentes // não bastam bolsas, retratos // às pretendentes. (5)
B asta // de sensuais grifes animais.// para azarar o par.(6)
Ó h! Sina! // DEPAUPERA BOA REDONDA // - já se anima a lambisgóia. (1)
I h... se arrasta insinuante // ante a presa // pressa da amante (2)
A gora é tarde // perdeu o siso // levanta e segue adiante. (4)
Marco Bastos 1, 3, 5
Regina Lyra 2, 4, 6
TRÍVIOLETRA (TS): JIBÓIA
Ó h! Sina! // DEPAUPERA BOA REDONDA // - já se anima a lambisgóia. (1)
I h... se arrasta insinuante // ante a presa // pressa da amante (2)
J á chega! // cobras criadas sem autocrítica // povo sem juízo (3)
A gora é tarde // perdeu o siso // levanta e segue adiante. (4)
I ludidas serpentes // não bastam bolsas, retratos // às pretendentes. (5)
B asta // de sensuais grifes animais.// para azarar o par.(6)


Visualizado por 6

3
Você, Celinha Viol e Lúcia Leite
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
20 de julho
(1316) TRÍVIOLETRA (TC): CATIMBÓ
C açarola da vovó // feitiço da pinga // paz na tribo (3)
A saia rodada // o giro faceiro // olhar de perfil (6)
T aturanas , pelo em pé // pés pesados // cor e contas no atabaque (5)
I nversão de passos // roda a roda // cachimbo e espelho na mão (7)
M uitas maracas // na dança da chuva // índios adornados (2)
B ruta urca, urucum tupinambá // LIMA MURÇA // pra adoçar (1)
Ó saudades! // da fumaça de meu cachimbo, // do banho de jurema (4)
Marco Bastos 1, 5
Maria Lima 2
Celinha Viol 3, 7
Hércio Afonso 4
Dirce Carneiro 6
TRÍVIOLETRA (TS): CATIMBÓ
B ruta urca, urucum tupinambá // LIMA MURÇA // pra adoçar (1)
M uitas maracas // na dança da chuva // índios adornados (2)
C açarola da vovó // feitiço da pinga // paz na tribo (3)
Ó saudades! // da fumaça de meu cachimbo, // do banho de jurema (4)
T aturanas , pelo em pé // pés pesados // cor e contas no atabaque (5)
A saia rodada // o giro faceiro // olhar de perfil (6)
I nversão de passos // roda a roda // cachimbo e espelho na mão (7)


Visualizado por 6

3
Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
19 de julho
(1315) TRÍVIOLETRA (TC): AFINS 1
A fiada fia a trama // dá o bote quieta // sem drama (3)
F antasia do silêncio // A PELE MUDA // muda meu mundo (mudo) (1)
I rritada serelepe // botou a mão no câmbio // gritou o pé no breque (5)
N em pense que me calo // só calos na língua // nem falo língua morta (2)
S ão riscos de vida // folha corrida // atos inconfessos (4)
Marco Bastos 1, 5
Hércio Afonso 2
Marcia Portella 3
Dirce Carneiro 4
TRÍVIOLETRA (TS): AFINS 1
F antasia do silêncio // A PELE MUDA // muda meu mundo (mudo) (1)
N em pense que me calo // só calos na língua // nem falo língua morta (2)
A fiada fia a trama // dá o bote quieta // sem drama (3)
S ão riscos de vida // folha corrida // atos inconfessos (4)
I rritada serelepe // botou a mão no câmbio // gritou o pé no breque (5)


Visualizado por 7

4
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Lima
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
18 de julho
(1314) TRÍVIOLETRA (TC): ESCOLAS.
E ducação, freis a Freire // águas podres // riachos poluídos (4)
S eara vasta // aprender a aprender // escola - rio sem fim (5)
C riança de colo // celular na mão // maneja educação? (3)
O ra, rio, escolas!... // LÍQUIDO, O MUNDO NAVEGA // no mar da vida (1)
L iquida flui // escorre entre os dedos // emancipação - tempo e espaço (2)
A velha doutrina usa a escola // mestres e alunos // - os novos robôs (7)
S enso comum // sem censo // urge mudanças (6)
Marco Bastos 1, 4, 7
Celinha Viol 2
Maria Lima 3
Dirce Carneiro 5
Maria Inez Alves 6
TRÍVIOLETRA (TS): ESCOLAS.
O ra, rio, escolas!... // LÍQUIDO, O MUNDO NAVEGA // no mar da vida (1)
L iquida flui // escorre entre os dedos // emancipação - tempo e espaço (2)
C riança de colo // celular na mão // maneja educação? (3)
E ducação, freis a Freire // águas podres // riachos poluídos (4)
S eara vasta // aprender a aprender // escola - rio sem fim (5)
S enso comum // sem censo // urge mudanças (6)
A velha doutrina usa a escola // mestres e alunos // - os novos robôs (7)


Visualizado por 7

4
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e Maria Inez Alves
Curtir

Curtir

Amei

Haha

Uau

Triste

Grr

Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
18 de julho
(1313) TRÍVIOLETRA (TC): AFINS
A lfa ou ômega // deutch ou ching ling // pendências do texto (2)
F alar... ouvir // sonhos na mochila // levitar na passarela (3)
I sca no anzol // peixe no prato // farto é fato (5)
N amoro amizade // amor com paixão // aperto de mão (4)
S olte a palavra // MOSTRE A LÍNGUA // pra brincar é só brincar (1)
Marco Bastos 1
Maria Inez Alves 2
Celinha Viol 3
Maria Lima 4
Dirce Carneiro 5
TRÍVIOLETRA (TS): AFINS
S olte a palavra // MOSTRE A LÍNGUA // pra brincar é só brincar (1)
A lfa ou ômega // deutch ou ching ling // pendências do texto (2)
F alar... ouvir // sonhos na mochila // levitar na passarela (3)
N amoro amizade // amor com paixão // aperto de mão (4)
I sca no anzol // peixe no prato // farto é fato (5)


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
11 de julho
(1312) TRÍVIOLETRA TC : FÉRIAS.
F estiva estação // serra areia mar // Iemanjá acolhe (6)
É m férias do mundo // REFÚGIO // livros, papel e o lápis na mão (1)
R espirar fundo // saudar o Universo // vida é graça (4)
I mpossível imaginar // prazer maior // sol, mar, preguiçando (3)
A rede // criativo balanço // paz abriga inspiração (2)
S entir o cheiro do mato // ouvir o silêncio // - lua cheia (5)
Celinha Viol 1,5
Dirce Carneiro 2, 4
Lourdes Ramos 3
Aurea Stela Issa Potumati 6
TRÍVIOLETRA TS : FÉRIAS.
É m férias do mundo // REFÚGIO // livros, papel e o lápis na mão (1)
A rede // criativo balanço // paz abriga inspiração (2)
I mpossível imaginar // prazer maior // sol, mar, preguiçando (3)
R espirar fundo // saudar o Universo // vida é graça (4)
S entir o cheiro do mato // ouvir o silêncio // - lua cheia (5)
F estiva estação // serra areia mar // Iemanjá acolhe (6)


Visualizado por 8

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
9 de julho
(1311) TRÍVIOLETRA TC : BLUSA
B otão aberto, sedução // tez de cetim // tarde de verão (2)
L indos montes // cerne, plena madrugada // melhor que blusa, a epiderme.(4)
U sa curta // fechada // aberta mostrando umbigo (5)
S eda amassada, decente // PELE DOURADA // areia - sol poente (1)
A botoada // deixa antever misteriosa // botões de rosa (3)
Celinha Viol 1
Dirce Carneiro 2
Lourdes Ramos 3
Marco Bastos 4
Marcia Portella 5
TRÍVIOLETRA TS : BLUSA
S eda amassada, decente // PELE DOURADA // areia - sol poente (1)
B otão aberto, sedução // tez de cetim // tarde de verão (2)
A botoada // deixa antever misteriosa // botões de rosa (3)
L indos montes // cerne, plena madrugada // melhor que blusa, a epiderme.(4)
U sa curta // fechada // aberta mostrando umbigo (5)


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
6 de julho
(1310) TRÍVIOLETRA (TC): REVOADA
R eboa rude vento // inventa asas // livres insetos (3)
E ntre céu e mar // terra - ou ar // um porto para descansar (2)
V oando vai às cegas // adentra buraco negro // infinitando (5)
O céu no limite // FORMIGAS DE ASA // Sertãozinho espalhando brasa (1)
A ventura a qualquer preço // imbatível // rebelde, alada se perde (4)
D enso mar de asas // no ninho exaurida // venenosa rainha (6)
A leluia, ciclos // in_certos círculos // asas da sobrevivência (7)
Marco Bastos 1, 7
Dirce Carneiro 2
Rosemary S. Mizrahi 3
Celinha Viol 4
Lourdes Ramos 5
Aurea Stela Issa Potumati 6
TRÍVIOLETRA (TS): REVOADA
O céu no limite // FORMIGAS DE ASA // Sertãozinho espalhando brasa (1)
E ntre céu e mar // terra - ou ar // um porto para descansar (2)
R eboa rude vento // inventa asas // livres insetos (3)
A ventura a qualquer preço // imbatível // rebelde, alada se perde (4)
V oando vai às cegas // adentra buraco negro // infinitando (5)
D enso mar de asas // no ninho exaurida // venenosa rainha (6)
A leluia, ciclos // in_certos círculos // asas da sobrevivência (7)


Visualizado por 6

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
4 de julho
(1309) TRÍVIOLETRA TC : DESFILE
D esliza suave // leve pássaro // das passarelas (3)
E m leque colorido // abre-se o pavão // na arte do cortejo (4)
S aindo de pintura // colorido surreal // metamorfose (2)
F aceira e atrevida // CHARME - PASSOS, RODEIOS // roda, a saia rodada (1)
I nicia nova dança // convoca todos // ao rock'n'roll (7)
L ibélula sedutora // Hipnotiza e encanta // anjo sem asas (5)
E ela provoca, zumba // galera delira // Despacito...(6)
Celinha Viol 1, 6
Lourdes Ramos 2
Marcia Portella 3
Maria Lima 4, 7
Elischa Dewes 5
TRÍVIOLETRA TS : DESFILE
F aceira e atrevida // CHARME - PASSOS, RODEIOS // roda, a saia rodada (1)
S aindo de pintura // colorido surreal // metamorfose (2)
D esliza suave // leve pássaro // das passarelas (3)
E m leque colorido // abre-se o pavão // na arte do cortejo (4)
L ibélula sedutora // Hipnotiza e encanta // anjo sem asas (5)
E ela provoca, zumba // galera delira // Despacito...(6)
I nicia nova dança // convoca todos // ao rock'n'roll (7)


Visualizado por 7

4
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
4 de julho
(1308) TRÍVIOLETRA (TC): ESPAÇOS
E spaços são relativos // significados emotivos // fluem (5)
S ob a amplitude // anjos saudosos dos céus // tão iluminados (3)
P ara os passarinhos no ninho // O NINHO // nunca é pequeno (1)
A conchego abraça // refúgio seguro // pra onde voltar (2)
C ansado de voar // pousa // calor - no grande ninho pequeno (4)
O disseia humana // no mar, na terra, no ar // um canto, um lar (6)
S ecreto horizonte // de sol prometido // voa a ave (7)
Marco Bastos 1
Aurea Stela Issa Potumati 2
Lourdes Ramos 3
Celinha Viol 4
Maria Inez Alves 5
Maria Lima 6
Rosemary S. Mizrahi 7
TRÍVIOLETRA (TS): ESPAÇOS
P ara os passarinhos no ninho // O NINHO // nunca é pequeno (1)
A conchego abraça // refúgio seguro // pra onde voltar (2)
S ob a amplitude // anjos saudosos dos céus // tão iluminados (3)
C ansado de voar // pousa // calor - no grande ninho pequeno (4)
E spaços são relativos // significados emotivos // fluem (5)
O disseia humana // no mar, na terra, no ar // um canto, um lar (6)
S ecreto horizonte // de sol prometido // voa a ave (7)


Visualizado por 7

5
Celinha Viol, Rosemary S. Mizrahi e outras 3 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
1 de julho
(1307) TRÍVIOLETRA TC : ALTIVEZ
A ltiva // SALTO ALTO NA PASSARELA // a cereja do bolo (1)
L eve e bela // olhar fixo no horizonte // caminha o sonho (2)
T ão altiva, tanta pose // do salto vai ao solo // - adeus cereja.(3)
I nstigante estrela // equilibra e passa // garbo incontido (7)
V ez ou outra, colhe flores // cai o pano // morta estrela (5)
Ela, na passarela, lá vai // é a bola da vez // bis! Bis! (4)
Z elo no passo // impávido olhar // reina a segunda pele (6)
Celinha Viol 1
Maria Lima 2
Marco Bastos 3
Lourdes Ramos 4
Rosemary S. Mizrahi 5
Dirce Carneiro 6
Aurea Stela Issa Potumati 7
TRÍVIOLETRA TS : ALTIVEZ
A ltiva // SALTO ALTO NA PASSARELA // a cereja do bolo (1)
L eve e bela // olhar fixo no horizonte // caminha o sonho (2)
T ão altiva, tanta pose // do salto vai ao solo // - adeus cereja.(3)
Ela, na passarela, lá vai // é a bola da vez // bis! Bis! (4)
V ez ou outra, colhe flores // cai o pano // morta estrela (5)
Z elo no passo // impávido olhar // reina a segunda pele (6)
I nstigante estrela // equilibra e passa // garbo incontido (7)


Visualizado por 8

6
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 3 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
30 de junho
(1306) TRÍVIOLETRA (TC): PENACHO
P lumas, confetes // PALCOS DA VIDA // - no ninho, ave só é passarinho (1)
E nganos em cena // penas coloridas // flutuam no cocoruto (2)
N o carnaval // tantas plumas e rendas // só penas, apenas (3)
A s penas encrespam // aplauso parco // o penar da ribalta (5)
C om topete // na rabiola // em tudo que rebola (4)
H omem de cocar // belo adorno milenar // haja pena! (6)
O rgulhoso Pierrot // desfaz a chita // emudece a dor (7)
Marco Bastos 1
Aurea Stela Issa Potumati 2
Hércio Afonso 3
Marcia Portella 4
Dirce Carneiro 5
Maria Lima 6
Rosemary S. Mizrahi 7
TRÍVIOLETRA (TS): PENACHO
P lumas, confetes // PALCOS DA VIDA // - no ninho, ave só é passarinho (1)
E nganos em cena // penas coloridas // flutuam no cocoruto (2)
N o carnaval // tantas plumas e rendas // só penas, apenas (3)
C om topete // na rabiola // em tudo que rebola (4)
A s penas encrespam // aplauso parco // o penar da ribalta (5)
H omem de cocar // belo adorno milenar // haja pena! (6)
O rgulhoso Pierrot // desfaz a chita // emudece a dor (


Visualizado por 10

5
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 2 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
30 de junho
(1305) TRÍVIOLETRA TC : SENDA.
S om de asas // CAMINHO ESTREITO // agito - a hora cega, tinge o horizonte (1)
E m veredas estreitas // espreitam olhos compridos // cheios d'antolhos (4)
N o azul infinito // revoada unida // andorinha guia (3)
D as horas inquietas // incompletas lembranças // trilho o hoje no agora (5)
A marga vereda // de parcos amores // sonhos risíveis (2)
Celinha Viol 1
Rosemary S. Mizrahi 2
Dirce Carneiro 3
Lourdes Ramos 4
Marco Bastos 5
TRÍVIOLETRA TS : SENDA.
S om de asas // CAMINHO ESTREITO // agito - a hora cega, tinge o horizonte (1)
A marga vereda // de parcos amores // sonhos risíveis (2)
N o azul infinito // revoada unida // andorinha guia (3)
E m veredas estreitas // espreitam olhos compridos // cheios d'antolhos (4)
D as horas inquietas // incompletas lembranças // trilho o hoje no agora (5)


Visualizado por 8

6
Você, Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 3 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
27 de junho
(1304) TRÍVIOLETRA (TC): APNEIA
A r parado // som calado // asa quebrada (2)
P áthos, o problema vem // DO AMAR AMAR // - o incompleto abstrato (1)
N oite de sonhos // paixão e tormento // sem ar para amar (3)
E m suspenso // a vida para // o tudo em nada (4)
I ncúria sufoca // pathos nega amor // viva felicidade (5)
A urora chegando // com brisa suave // respirar é preciso! (6)
Marco Bastos 1
Marcia Portella 2
Celinha Viol 3
Dirce Carneiro 4
Aurea Stela Issa Potumati 5
Maria Lima 6
TRÍVIOLETRA (TS): APNEIA
P áthos, o problema vem // DO AMAR AMAR // - o incompleto abstrato (1)
A r parado // som calado // asa quebrada (2)
N oite de sonhos // paixão e tormento // sem ar para amar (3)
E m suspenso // a vida para // o tudo em nada (4)
I ncúria sufoca // pathos nega amor // viva felicidade (5)
A urora chegando // com brisa suave // respirar é preciso! (6)


Visualizado por 9

8
Celinha Viol, Rosemary S. Mizrahi e outras 6 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
25 de junho
(1303) TRIVIOLETRA TC: FUTEBOL
F arra dos meninos // arenas do mundo // - a arte de jogar (2)
U ltimo minuto // carrinho // - falta - gol, bola mágica no ar (7)
T roca de passes // galera em pé // chapéu mexicano - olé (4)
E gol, é gol, é gol // bate na trave // quase (5)
B ola rola na Copa // É MUNDIAL // perde ou ganha, dá cartola (1)
O la na galera // grito e choro // coro de nações (3)
L uta renhida // disputa da bola // na firula, o tombo (6)
Dirce Carneiro, 1, 3, 5
Celinha Viol, 2, 4, 7
Aurea Stela Issa Pontumati, 6
TRIVIOLETRA TS: FUTEBOL
B ola rola na Copa // É MUNDIAL // perde ou ganha, dá cartola (1)
F arra dos meninos // arenas do mundo // - a arte de jogar (2)
O la na galera // grito e choro // coro de nações (3)
T roca de passes // galera em pé // chapéu mexicano - olé (4)
E gol, é gol, é gol // bate na trave // quase (5)
L uta renhida // disputa da bola // na firula, o tombo (6)
Último minuto // carrinho // - falta - gol, bola mágica no ar (7)


Visualizado por 8

7
Celinha Viol, Lúcia Leite e outras 5 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
23 de junho
(1302) TRÍVIOLETRA (TC): FIEIRA
F oge o pião - gira a vida // tempo passa, passatempo // tantos trilhos (2)
I ça peão, lança destino // na mão // trilhas da vida (4)
E nrolo o rolo // enrolado rola // longa fieira (3)
I rada a labuta e a lida // peões andarilhos // piões a rodar (5)
R oda, dorme, bamboleia // TRAULITADA // - aiii !!! meu pião batatinha (1)
A ndanças // novos rumos // cordão do tempo - puxa, roda o pião (6)
Marco Bastos 1, 5
Celinha Viol 2, 6
Marcia Portella 3
Dirce Carneiro 4
TRÍVIOLETRA (TS): FIEIRA
R oda, dorme, bamboleia // TRAULITADA // - aiii !!! meu pião batatinha (1)
F oge o pião - gira a vida // tempo passa, passatempo // tantos trilhos (2)
E nrolo o rolo // enrolado rola // longa fieira (3)
I ça peão, lança destino // na mão // trilhas da vida (4)
I rada a labuta e a lida // peões andarilhos // piões a rodar (5)
A ndanças // novos rumos // cordão do tempo - puxa, roda o pião (6)


Visualizado por 9

7
Celinha Viol, Rosemary S. Mizrahi e outras 5 pessoas
Curtir
Comentários

Celinha Viol desativou os comentários desta publicação.





Celinha Viol
22 de junho
(1301) TRIVILIOLETRA TC/TS: COPA
C ampo bolado // JOGO MARCADO // gol - sorte e perícia (1)
O drible perfeito // - a finta e a bela caneta // o gol esperado (2)
P ontua, elimina // técnicos, milhões // avante Brasil! (3)
A caneta e a bola // melhor mais tinta e menos finta // chega de estádios. (4)
Dirce Carneiro, 1
Celinha Viol, 2
Maria Lima, 3
Marco Bastos, 4
Marco Bastos e autores do Grupo Trívioletra do Facebook.
Enviado por Marco Bastos em 17/12/2018
Reeditado em 17/12/2018
Código do texto: T6528901
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (o número que aparece após cada verso do poema indica o autor que tem na lista de autoria o mesmo número após o nome ). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
DIANA GONÇALVES e GRUPO TRIVIOLETRA DO FACEBOOK
Enviado por DIANA GONÇALVES em 04/05/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários