Dirce Carneiro por Diana Gonçalves
Pensamentos... palavras e poesia... em ação...querendo alçar voo, em mutação...
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Prêmios Livro de Visitas Contato Links
SONETO 4 DE MARCOS LOURES
4

“O nexo de viver, um tempo original.”
Aonde se pudesse acreditar
Mais forte do que céu, luar e mar
O verso se mostrasse triunfal
Ascendo assim degrau após degrau
Ao quanto mais desejo imaginar
Vencendo os meus temores, devagar
Encontra um sereno então a nau
Porquanto não gestasse outro caminho,
E quando me encontrasse mais sozinho
Pudesse neste pouco, muito ou tanto
Erguendo o meu olhar neste horizonte
Sabendo a direção na qual se aponte
O rumo noutro encanto que ora canto.

SOBRE VERSO DE DIANA GONÇALVES


***
Este soneto faz parte de uma coleção que o poeta Marcos Loures compôs a partir de um verso de poemas publicados no tópico do Forum do RL "Você sabe fazer sonetos?", pg. 08 em 15/04/10. Outros poetas homenageados na composição foram: Elischa Dewes, Edir Pina de Barros, Miguel Eduardo Gonçalves, Elody, Marcelo Bancalero, Álvares Parahyba, Fabio R, Jimii, Rommel Werneck, Nilza Azzi e Amargo.

***
Agradeço profundamente ao poeta Marcos Loures pela homenagem e recebo-a não como reconhecimento, pois em matéria de soneto sou verdadeiramente aprendiz, mas como como incentivo e generosidade do talentoso e reconhecido poeta e especial sonetista Marcos Loures.

***
A coleção completa dos mencionados sonetos os leitores poderão ler na pg. 08 do Tópico "Você Sabe Fazer Sonetos".

***

Publicado com a devida autorização do autor.

***

O verso que deu origem ao poema acima está no soneto de minha autoria, publicado aqui na escrivaninha e também no citado Tópico do Forum do RL:



QUANDO SOLO O AZUL


O intrigante cismar, em plena madrugada;
É noite solidão; como pano de fundo,
A imensidão do céu, invade o mais profundo
E contrito temor, do fim desta jornada.

O que reserva o além? Ninguém responde Nada;
Dizem que Tudo há. Um outro e belo mundo
Existirá no azul. São cismas que fecundo
Na ânsia de saber, o fim da caminhada.

Eis, vem nova manhã. Que importa o final?
O agora é mais um dia, solicita o meu riso;
O sol resgata a dor. E a plena Luz refaz

O nexo de viver, um tempo original.
Já não assombra o fim. Inferno ou Paraíso
A vida mostra aqui. Me invade breve Paz...


20/11/2009
DIANA GONÇALVES e Marcos Loures
Enviado por DIANA GONÇALVES em 17/05/2010
Alterado em 10/08/2014
Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários