Dirce Carneiro por Diana Gonçalves
Pensamentos... palavras e poesia... em ação...querendo alçar voo, em mutação...
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Prêmios Livro de Visitas Contato Links
RECADO
Nesta madrugada, desejei ler os grandes poetas. Alguns habitam ao redor da escrivaninha, outros descansam na desordem da cama de achados e perdidos.  Não, nenhum desses que estão à mão. Fui à estante, busquei entre os bem guardados, os que restaram, não foram doados; nem emprestados.
No meio do livro de Bandeira, Estrela da Vida Inteira, ao lado de um poema curto, encontrei um recado:

“Querida:
É o que gostaria de te dar.”
Assinado, datado.

O poema anterior é Vou-me embora pra Pasárgada. O que vem depois: Poema de Finados.
No meio, O impossível Carinho, com anotações. Gosto de ver antigas anotações das minhas leituras. Mas a letra não era minha. A surpresa tomou-me de sobressalto, grafada a lápis, inconfundível, ao lado deste poema de Bandeira:

“Escuta, eu não quero contar-te o meu desejo
Quero apenas contar-te a minha ternura
Ah se em troca de tanta felicidade que me dás
Eu te pudesse repor
- Eu soubesse repor –
No coração despedaçado
As mais puras alegrias de tua infância!”

Ele era assim. Hoje já está com Bandeira em Pasárgada.Tinha uma capacidade enorme de criar e surpreender. Às vezes também me escrevia poemas. Poesia e poetas servem para isso: desconcertar e surpreender a realidade.



22.10.09
DIANA GONÇALVES
Enviado por DIANA GONÇALVES em 23/10/2009
Alterado em 24/10/2009
Comentários